29 junho 2008

Consciência e Níveis de Consciência

Trigueirinho, escritor e conferencista, editou um Glossário Esotérico para fornecer-nos uma explicação sobre a terminologia usada em seus vários livros. Depreende-se da leitura desse livro que os termos "consciência" e "níveis de consciência" são a chave para o entendimento da dinâmica espiritual do ser humano. Reflitamos sobre alguns desses conceitos.

Na introdução do livro há um corretivo sobre a palavra esotérico, que significa oculto, contrário ao exotérico, que significa público. Chama-nos a atenção para o fato de que alguma coisa que era considerada esotérica no passado, hoje já não é mais, porque houve um esclarecimento a respeito. Por isso, todos nós, crentes ou não crentes, deveríamos estar abertos tanto para ensinar como para aprender. Mantermo-nos presos ao passado é criarmos o fanatismo e o dogmatismo religiosos.

Elaboremos sobre alguns temas, diretamente relacionados com a consciência: ascese, Buda e salvação. Por ascese entende-se o deslocamento da consciência para níveis mais elevados, produzidos pela atração da energia superior. Buda é o grau evolutivo avançado, no qual a consciência se liberta das ilusões inerentes ao mundo das formas dos sentidos e do pensamento, e comunga da essencialidade da vida cósmica. Salvação é o ingresso num nível de consciência em que já não é possível desconhecer a meta evolutiva ou opor-se a ela. É a eliminação das forças retrógradas do Planeta.

O auto-esquecimento, o silêncio e o recolhimento são outros termos arrolados em seu glossário, e que nos faz refletir sobre o estado de nossa consciência. É possível que estejamos voltados apenas para os prazeres da matéria. Diz-nos que, se praticarmos o silêncio interior, o recolhimento e o auto-esquecimento, poderemos alcançar um nível de consciência mais acurado, oposto aos desejos meramente físicos da vida. O importante é não violentarmos o nosso corpo. Esse comportamento dever ser buscado de forma disciplinada, ou seja, não imposto de fora para dentro, mas como um crescimento do Espírito imortal.

Digno de nota é o verbete Cristo. Para ele, Cristo não é uma pessoa, é uma entidade que fundamenta as Leis Naturais. Jesus, por exemplo, foi a pessoa em que o Cristo encarnou. Os seus ensinamentos não são locais, sectários, mas universais, pois representam a divulgação das Leis Naturais, que devem ser atualizadas na consciência de cada habitante do Planeta Terra, viva ele no Brasil, na China ou em qualquer outro local. Há muito engano supor que o conhecimento seja monopólio de uma filosofia ou de uma religião.

Busquemos a luz, onde ela estiver. Todos somos intermediários da Divina Providência. O Apóstolo Paulo, por exemplo, advertia-nos para lermos de tudo, aconselhando-nos, porém, a ficarmos somente com aquilo que fosse proveitoso para a nossa alma.

Fonte de Consulta

TRIGUEIRINHO. Glossário Esotérico. São Paulo: Pensamento, 1995.

São Paulo, 07/05/2003

Nenhum comentário: