07 dezembro 2011

Alcoolismo: Veneno Livre

O Espírito Irmão X (Humberto de Campos), no capítulo 18 (“Veneno Livre”), do livro Cartas e Crônicas, psicografado por Francisco Cândido Xavier, traça-nos alguns comentários sobre o alcoolismo. Ele começa por situar a cobra, cujo bote comumente não alcança mais que uma só pessoa, é combatida a vara de ferro, porrete, pedra, armadilha etc., "mas o álcool, que destrói milhares de criaturas, é veneno livre, onde quer que vá, e, em muitos casos, quando se fantasia de champanhe ou de uísque, chega a ser convidado de honra, consagrando eventos sociais. Escorrega na goela de ministros com a mesma sem-cerimônia com que desliza na garganta dos malandros encarapitados na rua. Endoidece artistas notáveis, desfibra o caráter de abnegados pais de família, favorece doenças e engrossa a estatística dos manicômios..."

Texto completo em: https://sites.google.com/site/centroismael/veneno-livre

Nenhum comentário: