11 julho 2014

Dar o que Tem

Nós julgamos ter um corpo, uma casa, um óculos, um iate. Eles, porém, não nos pertencem. O bem material, inclusive o dinheiro, é um empréstimo que a Providência Divina nos concede para auxiliar o nosso progresso moral, intelectual e espiritual. Nesse mister, há uma grande ilusão quando os governos prometem dar isso e aquilo. Rigorosamente, eles só podem dar aquilo que arrecadaram em impostos e taxas. 

O dar o que tem do Evangelho. Jesus quis nos mostrar que cada um deve dar algo de si, do que possui em essência. Isso não pode ser emprestado. É um patrimônio do sujeito cognoscente. Observe a frase: “Amar o próximo como a si mesmo”. Inicialmente era: primeiro ama a si mesmo, para depois amar ao próximo. Hoje, repetimos exaustivamente o “amai o próximo com a si mesmo”. Há profunda diferença: como amar o próximo se não amamos a nós mesmos? 

Segundo instruções dos Espíritos, nada nos pertence, nem mesmo o nosso corpo físico. O correto é vê-lo como um empréstimo. No devido momento, deveremos prestar contas pelo seu uso. Nesse sentido, o que levaremos para outra vida? O conhecimento e o bem que fizermos ao nosso próximo. Este é o tesouro que nenhum ladrão conseguirá nos roubar. 

“É mais bem-aventurado dar do que receber”. Quem dá recolhe a felicidade de ver a multiplicação daquilo que deu. Oferece gentileza e encorajarás a plantação da fraternidade. Perdoa e serás perdoado. Assim, é bastante útil para o nosso progresso espiritual, que cedamos ao próximo a nossa saúde, a nossa alegria e o nosso tempo. Aí fundamenta-se o possuímos o que damos

Para darmos efetivamente algo de nós, temos que plantar a boa semente, pois os ociosos e os inativos também estão cultivando, mas o joio da imprevidência.

Nenhum comentário: