06 setembro 2014

Raça

Raça é o conjunto de indivíduos procedentes do mesmo tronco e com características comuns dentro de sua espécie. As três principais são: raça branca, raça amarela e raça negra. O uso do termo “raça” deve ser feito com cuidado, pois podemos confundi-lo com a etnia, que é um agrupamento humano cuja unidade repousa na comunhão de língua, cultura, religião e maneiras de agir. Nesse sentido, as expressões raça portuguesa, raça francesa devem ser evitadas, por serem expressões inexatas.

O racismo repousa na desigualdade das raças humanas, raças que se confundem com a noção de etnia. Ao lado do racismo, temos o etnocentrismo, que é a atitude que repudia as formas culturais mais afastadas das nossas. Expressa o seguinte pensamento: “a cultura que me formou é forçosamente a melhor”. Evoca, assim, um grande perigo quando chega a negar o direito do outro à diferença: resulta então no racismo, no genocídio (extermínio sistemático de populações humanas) ou etnocídio (destruição da identidade cultural de um grupo étnico).

O Espiritismo nos esclarece a respeito da raça adâmica. São colônias de Espíritos, vindas de outra esfera, que deu origem à raça simbolizada na pessoa de Adão. São Espíritos que cometeram falhas em vida anterior e mereceram, por suas faltas, vir encarnar neste mundo expiatório. Dela provém quatro grandes povos: O grupo dos árias, a civilização do Egito, o povo de Israel e as castas da Índia. 

Allan Kardec, na página 8 de A Revista Espírita de 1862, diz: "Não é, com efeito, o papel que cumpre até este dia a raça adâmica? Relegando-a sobre esta Terra, de trabalho e de sofrimento, Deus não teve razão em dizer-lhe: "dela tirarás o teu sustento com o suor de teu rosto"? Se ela mereceu esse castigo por causas semelhantes às que temos hoje, não é justo dizer que ela está perdida pelo orgulho? Em sua mansuetude, não poderia lhe prometer que lhe enviaria um Salvador, quer dizer, aquele que deveria esclarecê-la sobre o caminho a seguir para chegar à felicidade dos eleitos? Este salvador enviou-lhe na pessoa do Cristo, que ensinou a lei de amor e de caridade, como a verdadeira âncora de salvação".

Espírito Emmanuel, no livro A Caminho da Luz, tece alguns comentários sobre os grandes agrupamentos primitivos da Lemúria e da Atlântida. Embora tenha ficado impreciso o conhecimento desses povos, "os exilados da Capela trabalharam proficuamente, adquirindo a provisão de amor para suas consciências ressequidas. Não houve retrocesso, mas providência justa de administração, segundo os méritos de cada qual, no terreno do trabalho e do sofrimento para a redenção". (Xavier, 1972, pág. 40)

Fonte de Consulta

DUROZOI, G. e ROUSSEL, A. Dicionário de Filosofia. Tradução de Marina Appenzeller. Campinas, SP: Papirus, 1993.


XAVIER, F. C. A Caminho da Luz - História da Civilização à Luz do Espiritismo, pelo Espírito Emmanuel. Rio de Janeiro: FEB, 1972.

Nenhum comentário: