03 julho 2008

Refletores da Vontade Divina

A Vontade Divina pode ser entendida como a obediência à Lei de Deus, inscrita na consciência de todos os viventes. Refletir a Vontade Divina é nos colocarmos como um espelho, ou seja, quando alguém se depara conosco percebe, imediatamente, o que de nós está sendo irradiado. Assim, não é tanto o que sabemos, mas a maneira como estamos usando o conhecimento adquirido. Em outras palavras, para refletirmos a Vontade Divina, devemos nos esforçar para conformar a nossa vontade à de Deus.

A reflexão da Vontade Divina, como dissemos acima, assemelha-se a um espelho. Por decorrência, o espelho assemelha-se à mediunidade, ou seja, o meio de transmissão dos conhecimentos vindos do Pai Celestial. E como todos somos médiuns, pois todos somos passíveis de receber a influência dos Espíritos superiores, todos podemos expressar a vontade de Deus junto aos nossos semelhantes. Basta que tenhamos a disposição de nos aproximarmos de suas leis.

Há muito tempo que se faz confusão entre conhecimento e virtude. Todos tiram de Sócrates a assertiva de que o conhecimento gera a virtude. Mas será isso uma verdade? Se assim fosse, não haveria tantos letrados e bacharéis praticando injustiça. Observe o número de artigos, divulgado na mídia, criticando a conduta de advogados que defendem as pessoas envolvidas com o narcotráfico. Paralelamente, quantas não são as pessoas simples, sem cultura e que tem um senso mais exato do que seja o justo e o injusto. Alguns chegam a dizer: "Fez uma faculdade para roubar os outros".

Os atos da vida de Cristo devem ser o principal referencial para melhor refletir a Vontade Divina. Jesus reencarnou neste planeta de provas e expiações para salvar a humanidade; para isso, não hesitou em praticar a humildade logo no seu nascimento: veio à luz numa estrebaria, cercado de animais. Na sua infância, apesar de todo o poder de sua inteligência, exercitou-se como carpinteiro na oficina de seu pai José. E o que ele passou em seu pouco tempo de apostolado? Zombaria, vexame e morte na cruz. Tudo para nos mostrar o caminho que nos conduz à verdade.

Pensamentos sadios, coração puro, autenticidade de nosso proceder e paciência em todos os lances da vida facilitam a percepção das boas inspirações para a prática do bem. Observemos o ensinamento de Jesus: "Ao que muito foi dado, muito será exigido, e mais lhe será acrescentado". Quer dizer, à medida que avançamos no pedregoso caminho da evolução espiritual, o Mestre vai nos descortinando novos campos de atuação e responsabilidade.

Tenhamos confiança na Divina Providência. Quem sabe não fomos nós os escolhidos para disseminar a Boa Nova no meio dos incrédulos? Tenhamos determinação e esperemos por novas oportunidades de crescimento espiritual.

São Paulo, 25/04/2003.

Nenhum comentário: