03 janeiro 2009

Ciência da Elevação

Muitas vezes nos pegamos deslocados em diversas ocasiões, principalmente nas festas. Já não apreciamos o consumo de bebidas, as comidas fora de hora, as músicas barulhentas etc. Sentimos-nos entristecidos e não vemos a hora que esses momentos passem para voltarmos às nossas atividades habituais.

Esse status quo vem confirmar a mensagem 70, "Solidão", do livro Fonte Viva, pelo Espírito Emmanuel, quando este se refere à crucificação de Cristo. Em certa parte do texto ele nos diz: "À medida que te elevas, monte acima, no desempenho do próprio dever, experimentas a solidão dos cimos e incomensurável tristeza te constringe a alma sensível". Mais adiante, escreve: "Em torno de ti, a claridade, mas também o silêncio. Dentro de ti, a felicidade de saber, mas igualmente a dor de não seres compreendido".

Como o acaso não existe, urge aproveitarmos todas as situações em que formos colocados, extraindo delas lições valiosas para o nosso crescimento espiritual. Se o barulho, as conversações e as gritarias já não mais nos satisfazem, é porque as nossas necessidades interiores são de outros matizes. Mesmo que nos sintamos deslocados, menosprezados e incompreendidos, continuemos com o nosso bom humor, pois nunca iremos prescindir dos nossos amigos e familiares.

Não queiramos que os outros pensem pela nossa cabeça. Cada um de nós está num nível de evolução espiritual diferente. Aquilo que é o deleite deles pode ser o nosso pesadelo, mas nem por isso eles estão errados e nós certos. Observe que renunciar ao pai, à mãe e aos parentes não é abandoná-los, o que seria muito mais fácil, mas compreendê-los em suas lutas, em suas disposições e em suas ações.

Lembremo-nos de que a pedra sofre a ação do buril para se tornar peça de adorno, a semente se apaga na cova para nos dar os frutos sazonados e muitos benfeitores da humanidade tiveram que passar muito tempo na obscuridade para nos trazer a luz dos conhecimentos superiores. Do mesmo modo, a nossa solidão com serviço aos semelhantes gera a grandeza de alma, que só futuramente saberemos reconhecer com mais exatidão.

"Que importa a ti, segue-me tu", dizia Jesus. Saibamos compreender cada irmão do caminho, contudo, não esperemos por este ou aquele.

Baixe o áudio deste texto

Um comentário:

Unknown disse...

Olá Sergio,
Parabéns pela mensagem, e parabéns pelo blog! Descobri recentemente, mas já pude perceber a elevada qualidade do conteúdo dos textos.
Você captou muito bem o que se passa com muitos de nós, não apenas no fim do ano, mas em muitos outros momentos em que não temos sintonia com o que ocorre ao nosso redor.
Um grande abraço, em breve darei umm pulo no Ismael para rever os amigos.

Tales.