11 março 2009

Curso de Expositor no Centro Espírita


O treinamento de colaboradores, numa Casa Espírita, não pode ser deixado em segundo plano. Ele representa a passagem de uma posição de menor rendimento para uma de maior eficácia. Não é conveniente que os colaboradores absorvam assistematicamente os conhecimentos inerentes a uma determinada função; instruindo-os, podemos diminuir consideravelmente o número de erros cometido.

Em princípio, todas as funções exercidas pelos colaboradores de uma Entidade Espírita podem e devem ser treinadas: Recepção, Entrevista, Passe, Exposição etc. Além de preparar melhor o colaborador, o treinamento resolve um problema grave, que é a existência de "panelinhas". Explica-se: com um Curso de Formação de Colaboradores, as inscrições são abertas indistintamente a todos, evitando-se que só participem de certos trabalhos aquelas pessoas que caem no agrado do dirigente.

O "Curso de Expositor Espírita" é um desses treinamentos que vale a pena incentivar. O Espiritismo pode ser divulgado através de conversas informais, leituras, áudios, cursos, palestras e simpósios. Nos Centros Espíritas, de um modo geral, a divulgação doutrinária se dá pela palavra oral. Nesse sentido, a necessidade de termos mais espíritas compenetrados e comprometidos com a doutrina, aumenta sobremaneira.

Um Curso de Expositor é deveras importante porque, além de darmos oportunidade aos novos oradores, podemos corrigir defeitos e enaltecer virtudes no campo da oratória. Há muitas palestras em que os oradores falam, falam, e não dizem nada. Se o curso pudesse deixar de sobreaviso um desses palradores, já teria cumprido o seu papel.

O aluno de um Curso de Expositor não precisa ter diploma universitário. Basta que tenha conhecimento doutrinário e saiba usar regularmente a gramática da língua portuguesa. Os dirigentes desses cursos devem, contudo, infundir a responsabilidade no uso da palavra, pois o orador irá, quer queira quer não, influenciar os seus ouvintes, que estão no auditório.

Em tese, com algumas orientações, todos podem proferir uma palestra, tanto a de dez minutos, antes do trabalho de passes, quanto a de maior duração. Nas palestras de dez minutos, a exigência doutrinária deve ser a mesma da das exposições mais longas. Uma palavra dita fora de lugar pode afugentar o ouvinte menos avisado. Por isso, todo o cuidado é pouco, quando estivermos de posse da palavra para a execução de nossa peça oratória.

Uma coisa é certa: todo o aprendiz de expositor que se rende às normas, às regras e ao método oratório, com certeza, fará uma palestra bem mais eficiente do que aquele que simplesmente abre a boca e começa a falar. Um roteiro faz com que tenhamos uma meta, um ponto, um objetivo a atingir. A ideia central obriga-nos a ser coerentes com o assunto tratado; faz-nos conectar os tópicos, dando-lhes vida. Com isso, os ouvintes prestarão mais atenção em nossas palavras e absorverão melhor os princípios doutrinários.

O Curso de Expositor é ministrado pelo método de tentativas e erros. Nesse sentido, o aluno deve praticar a oratória, a fim de não perder o que foi ensinado nas aulas teóricas. As críticas e as orientações sobre a postura do aluno são também de valor inestimável.

Por fim, lembremo-nos de que "para expor, temos que nos expor".

Nenhum comentário: