09 maio 2012

Noite e Religião


Em todos os povos, a noite simboliza o caos, as trevas, a escuridão. Forma um par com a palavra "dia", a luz, o bem. No seio da noite está o perigo, a armadilha e a emboscada.

No Antigo Testamento, há muitas passagens que tratam da noite (trevas) e do dia (luz). Quando a luz do dia desaparece, as bestas maléficas se põem em movimento e a imaginação as engrandece comparando-as com os monstros do caos. É nessa hora que as pestes vagueiam e o terror se apodera da mente. É a hora dos ladrões e dos adúlteros, que se escondem da luz.

No Novo Testamento, Jesus é a luz do dia. Sua atuação assemelha-se ao dia, percorrendo o seu caminho até chegar à noite da paixão. (Jo 9, 1-5) Chegar à noite parece acumular em si todos os simbolismos. Por um lado é símbolo de tentação e da provação. (Mc 14, 32-42). É o simbolo do pecado supremo da humanidade. foi à noite que se desencadearam as forças do ódio e da morte contra o justo. (Lc 22, 52-53)

Na simbologia da noite, há pontos negativos e positivos. Negativamente, é o caos, a escuridão, o tempo sem fim, os sonhos tumultuados, os pesadelos. Positivamente, é o tempo de reflexão, de estudo, de meditação. Ainda: do caos vem a luz, o conhecimento e a iluminação do dia.

Buscando uma mensagem nas obras espíritas, encontramos “Combatendo a Sombra”, capitulo 31, de Palavras de Vida Eterna, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de Franscisco Candido Xavier, da qual anotamos: “Não te resignes aos hábitos das trevas. Mas clareia-te por dentro, purificando-te sempre mais, a fim de que a tua presença irradie, em favor do próximo, a mensagem persuasiva do amor, para que se estabeleça entre os homens o domínio da eterna luz”.

Saibamos meditar, à noite, para que o nosso dia seja bem iluminado. 

IDÍGORAS, J. L. Vocabulário Teológico para a América Latina. São Paulo: Paulinas, 1983.

Nenhum comentário: