02 julho 2013

Crookes, William

William Crookes (1832-1919) foi pesquisador no campo da química e da física. Descobriu o elemento tálio e inventou o radiômetro, além de se dedicar aos fenômenos paranormais. Foi membro-fundador da Sociedade para a Pesquisa Psíquica e pesquisou D. D. Home e Florence Cook.

A Sociedade para a Pesquisa Psíquica (Society for Psychical Research - SPR) é uma organização, formada em 1882, cujo objetivo era e ainda é o de estudar as funções paranormais da mente, o hipnotismo, a clarividência, as aparições, os fenômenos espiritualistas e as provas da vida após a morte. Os membros dessa sociedade pretendiam desmascarar os fenômenos mediúnicos. Em se tratando desse mister, William Crookes disse em 1870: “Ainda não vi nada que me convencesse da veracidade da teoria ‘espiritualista’”. Posteriormente, acrescentou que iria usar o raciocínio científico para “expulsar o medíocre resíduo do espiritualismo para o limbo desconhecido da magia e da necromancia”.

Crookes investigou o célebre médium, Daniel Dunglas Home (1833-1866, que apresentava notáveis capacidades de clarividência, alongamento (aumento da estatura do corpo) e levitação, entre outros. Para que pudesse aceitar cientificamente o fenômeno mediúnico, Crookes elaborou algumas experiências engenhosas. Numa delas, colocou o acordeão de Home, que tocava sozinho, numa gaiola de modo que Home só pudesse alcançá-lo com uma das mãos. Ainda assim o instrumento continuava tocando, mas parecia que era guiado por Home.

Estudou também Florence Cook (1856-1904), famosa médium britânica capaz de dar uma forma material aos espíritos. Ela propiciou a materialização do Espírito Katie King, filha de um pirata chamado John King, há muito falecida. Crookes queria observar Katie King e Florence Cook ao mesmo tempo, provando que a mensagem e a mensageira não eram uma só pessoa. Para sustentar a legitimidade do experimento, registrou diferenças entre a médium e o Espírito: Katie era mais alta que Florence; Katie tinha um cabelo longo e claro, enquanto o de Florence era curto e escuro... Nunca, porém, fizera a seguinte pergunta: será que Florence não tinha uma ajudante que posava como Katie King?

Como aceitar a veracidade desses relatos se Florence fora desmascarada antes e depois de participar dos experimentos de Crookes? A explicação: devido à vaidade dos cientistas da época, era proibido admitir que fora enganado. Porém outra explicação, oferecida por vários estudiosos, é a de que Crookes não ousou denunciar Florence porque os dois eram amantes. Se ela revelasse o fato em público, Crookes perderia toda a pretensão à objetividade científica, assim como sua honra pessoal.

Caso o embuste seja realmente verdadeiro, isso de maneira nenhuma invalida o raciocínio lógico embutido nas pesquisas.

Fonte de Consulta

Mistérios do Desconhecido: Evocação de Espíritos. Rio de Janeiro: Editora Abril, 1993.




Nenhum comentário: