28 fevereiro 2011

Idealismo e Espiritismo

O termo ideal, do latim tardio idealis, está relacionado à ideia, ao pensamento. Aquilo que cada um se propõe como modelo num determinado setor do pensamento ou, principalmente, da ação. Ideal difere de objetivo. Objetivo é simplesmente uma meta a ser atingida; ideal, é uma meta a ser atingida, mas dentro de uma perspectiva heróica. Nesse caso, um ser humano apaixonado por um ideal é capaz de sacrifícios e mesmo de esforços heróicos.

O idealismo, que vem de ideal, significa a atitude de espírito aberto a um ideal. Idealista é aquele que crê no poder das ideias e na nobreza de sentimentos, para reformar o homem e a sociedade. Neste sentido, o idealista se opõe tanto ao materialista quanto ao egoísta.

Filosoficamente falando, o idealismo refere-se às doutrinas que negam aos fenômenos uma subsistência em si mesmos e os reduzem a meras representações mentais. Uma forma de idealismo é o idealismo radical, em que tudo é absolutamente e não subjetivamente reduzido à ideia. Para Hegel, por exemplo, o absoluto é o ideal puro, sem realidade alguma. Isso nos conduz ao solipsismo (de solus, só e ipse, ele mesmo), que designa o isolamento da consciência individual.

Comparando-se idealismo, materialismo e Espiritismo, temos:

Para o idealista, o movimento das coisas é o resultado das contradições que existem nas ideias;
Para o materialista, o movimento das coisas constitui o elemento primário e as contradições que se produzem nas idéias são apenas o reflexo do movimento real;
Para o Espiritismo, o movimento das coisas está sujeito aos dois princípios fundamentais, ou seja, ao Espírito e à Matéria. O homem, por exemplo, é um ser completo composto de Espírito, Perispírito e Corpo Físico. Faz a síntese, afirmando que um influencia o outro.

A atividade espírita deve ser sempre idealista, seja qual for a sua natureza. Querer receber recompensa ou almejar um lugar de destaque em “Nosso Lar” vai contra o idealismo. Qualquer expectativa de ganho (financeiro, posição social...) é uma forma de mercadejar as coisas espirituais. Exemplo: quando um orador espírita começa a cobrar pelas suas palestras, quando procura enfatizar o seu “eu” em detrimento da Doutrina, ele deixa naturalmente de ser idealista.

O Espiritismo é por sua natureza idealista, pois sua principal função é combater o egoísmo, chamando-o de cancro da sociedade, o maior mal de convivência entre as pessoas. Nesse sentido, prega a caridade desinteressada, que é amar o próximo como a si mesmo, independente de crença religiosa.

ver mais

23 fevereiro 2011

Parábola da Figueira Seca

Figueira é o nome vulgar da Fícus carica, pequena árvore (por vezes reduzida a arbusto) caducifólia, da família das Moráceas e subfamília das Artocarpoídeas. É originária da Região Mediterrânea e frequentemente cultivada em Portugal em sítios com nível freático pouco fundo e de clima bastante quente e seco no verão, aparecendo por vezes subespontânea nas fendas das rochas e dos muros velhos.

No dia seguinte, saindo eles de Betânia, teve fome – vendo ao longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se, porventura, acharia nela alguma coisa. Aproximando-se, nada achou senão folhas; porque ainda não era tempo de figos. Disse-lhe: Nunca jamais coma alguém fruto de ti; e seus discípulos ouviram isto. Quando chegava a tarde saíram da cidade. Ao passarem de manhã, viram que a figueira estava seca até a raiz. Pedro, lembrando-se, disse-lhe: Olhe, Mestre, secou-se a figueira que amaldiçoaste! (Marcos, XI, 12-14 19-21.)

A Parábola da Figueira Seca faz parte da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. O título bíblico é Figueira Seca: a Purificação do Templo. Nessa passagem, Jesus expulsou os vendilhões do templo, exaltou a fé em Deus e teceu comentários sobre a oração e o perdão.

A relação entre folhas e frutos pode ser assim entendida: Na antiga Palestina, diziam que os primeiros brotos de frutos da figueira aparecem dois meses antes das folhas. Nesse caso, mesmo não sendo época de figos, a figueira já tinha estrutura para, mesmo fora de época, possuir frutos. Cristo se baseia nessa premissa para lançar uma “praga” à figueira.

Daí: a morte de uma árvore pode estar conectada ao uso do magnetismo. Se Jesus destruiu as células prejudiciais e causadoras de enfermidades – curas dos dez leprosos, a mulher que sofria de hemorragia, por que não poderia destruir as células de uma árvore? Mas, foi isso que ocorreu? Parece-nos que o mais provável é: Jesus, conhecedor das leis da natureza, e sabendo que ela iria morrer, disse-lhe para não dar mais frutos. Não foi ele que matou a figueira, mas ela que já estava a definhar.

Allan Kardec, nos itens 9 e 10 do capítulo 19 de O Evangelho Segundo o Espiritismo, ressalta três tipos de símbolos que podemos observar nesta parábola: 1) Pessoas que aparentam o bem, mas na realidade nada produzem de bom; 2) pessoas que podem ser úteis e não o são; 3) médiuns que se desviam de sua missão.

A esterilidade é nota destoante. Uma coisa estéril nada produz. Com o tempo, a obra estéril desaparece. Jesus está, nesta passagem evangélica, chamando a nossa atenção para as boas obras, não de aparência, mas de real valor para a Humanidade. O verniz da caridade nada vale, pois a salvação da alma está presa ao essencial, não ao que aparentamos ser.

A vida de aparência caridosa pode enganar aos homens, pode até fazer prosélitos, mas não consegue ludibriar a Deus, que é eminentemente sabedoria e justiça. Esta é a lição que devemos extrair dessa parábola.

Baixe o Áudio desta Palestra

Apresentação em PowerPoint


ver mais

Por um Pouco

O Espírito Emmanuel, comentando o trecho de Paulo aos hebreus: "Escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado". (Hebreus, 11,25), dá-nos algumas orientações valiosas para o equilíbrio de nossas emoções, quando estivermos em situação difícil.

Ele diz:

"Por um pouco", o administrador dirige os interesses do povo.
"Por um pouco", o servidor obedece na subalternidade.
"Por um pouco", o usuário retém o dinheiro.
"Por um pouco", o infeliz padece privações.

Disto resulta que tudo favorece ou aflige a criatura por um pouco de tempo.

É sobre esse detalhe, ou seja, "por pouco tempo", que devemos pautar a nossa conduta. Se alguém nos incomoda, nos constrange, nos trata mal, nos causa aborrecimentos, pensemos que isso será por pouco tempo. O que é uma existência comparada à eternidade? Tenhamos a devida paciência ante os acontecimentos menos felizes, para não nos comprometermos, pois dentro das hostes espiritas há farto material para analisarmos, no sentido de que todo o pensamento de ódio acaba voltando para o seu emissor, acarretando graves problemas físicos e mentais.
Aprenda Online. Relação de Cursos 24h.
ver mais

06 fevereiro 2011

Quando o Bem se Esconde, o Mal se Alastra

Geralmente, por falsa modéstia, queremos nos esconder, alegando que Deus vê tudo o que fazemos e, desta forma, não precisamos alardear as nossas boas obras. Realmente, há grande mérito em não saber a mão esquerda o que faz a direita, como bem atesta o texto evangélico. Porém, há grande distância entre o “ser humilde” e o “tornar público” as nossas realizações.

É o que acontece com a maioria dos religiosos. Eles dizem: “Estou cumprindo o meu dever; não necessito de trombetas para me pronunciar. Por que tornar o meu feito público a todos?” Há casos em que esse comportamento comprova o retraimento do bem. Ao nos afastarmos do bem, por medo ou ignorância, permitimos que o mal se alastre. O mal tomou o lugar do bem, porque não quisemos nos expor, ou seja, nos tornarmos públicos.

Jesus, porém, necessita de discípulos corajosos, aqueles que sabem despojar-se de sua personalidade e de seu orgulho, pois esconder-se, também é orgulho, orgulho de não querer que os outros saibam os nossos defeitos e os apontem.

A presença do individuo no mundo é uma atividade incessante. Se nos escondermos com medo da crítica, não estaremos atendendo ao chamamento divino, que nos pede para sermos os semeadores da boa nova trazida pelo Cristo.

ver mais