26 janeiro 2019

Mecanismos da Mediunidade (Livro)

"A mediunidade não é uma arte, nem um talento, pelo que não pode tornar-se uma profissão. Ela não existe sem o concurso dos Espíritos; faltando estes, já não há mediunidade." (“O Evangelho Segundo o Espiritismo” – Pág. 311. FEB, 48ª edição.) 

Mecanismos da Mediunidade é um livro psicografado por Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira,  pelo Espírito André Luiz, em 1959, e editado pela Federação Espírita Brasileira. Em seus 26 capítulos, temos informações sobre ondas, percepções, fluido cósmico, circuito elétrico, reflexos, reflexo condicionado, hipnotismo, efeitos físicos, efeitos intelectuais, ideoplastia, psicometria, desdobramento, entre outros. 

Qual a intenção do Espírito André Luiz? O Espírito André Luiz fez uma analogia entre a microfísica, a corrente elétrica, o circuito elétrico, o eletromagnetismo, o magnetismo, o reflexo condicionado etc. e a mediunidade. Deve-se levar ao pé da letra essa analogia? Essa comparação é apenas para aguçar o nosso pensamento, pois a conjugação de nossos fluxos mentais difere substancialmente do fluxo da energia circundante. 

Em suas primeiras páginas, recolhe pensamentos de Allan Kardec, notadamente de O Livro dos Espíritos, O Livro dos MédiunsO Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e Inferno e A Gênese. Depois, faz uma incursão sobre a história da mediunidade, lembrando o amigo invisível de Sócrates, Plutarco, Nero... Realça, também, que é no cristianismo que a mediunidade atinge culminância. Saulo de Tarso, por exemplo, desenvolve a clarividência de um momento para outro. Ainda: por meio de estudos sistemáticos, Allan Kardec forneceu-nos informações relevantes sobre o relacionamento entre médiuns e Espíritos.

Em seus diversos capítulos, o fluxo mental está sempre em primeiro lugar. Em se tratando das formas-pensamentos, diz que a telementação e reflexão comandam todos os fenômenos de associação. Dai, "Emitindo uma ideia, passamos a refletir as que se lhe assemelham, ideia essa que para logo se corporifica, com intensidade correspondente à nossa insistência em sustentá-la, mantendo-nos, assim, espontaneamente em comunicação com todos os que nos esposem o modo de sentir".

Em seu último capítulo, que trata de Jesus e a mediunidade, enaltece o Evangelho. Ele diz: "O Evangelho, assim, não é o livro de um povo apenas, mas o Código de Princípios Morais do Universo, adaptável a todas as pátrias, a todas as comunidades, a todas as raças e a todas as criaturas, porque representa, acima de tudo, a carta de conduta para a ascensão da consciência à imortalidade, na revelação da qual Nosso Senhor Jesus-Cristo empregou a mediunidade sublime como agente de luz eterna, exaltando a vida e aniquilando a morte, abolindo o mal e glorificando o bem, a fim de que as leis humanas se purifiquem e se engrandeçam, se santifiquem e se elevem para a integração com as Leis de Deus".



XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA, Waldo. Mecanismos da Mediunidade. Pelo Espírito André Luiz. Rio de Janeiro: FEB, 1977.

20 janeiro 2019

Engana-se Quem Quer Enganar o Outro

Uma pessoa (da Visa) liga para você e diz que seu cartão foi clonado. O valor da compra é R$ 4.750,00 (quatro mil setecentos e cinquenta reais). Depois de se certificar que o cartão está com você, ela pede para cortá-lo ao meio e, ao mesmo tempo, declarar, por escrito, que você não teve nada a ver com a referida compra. Para encerrar a conversa, pede para você digitar a senha, pois esta precisa ser cancelada. Tudo com voz magnética e hipnótica. O que leva uma pessoa a praticar esses atos? Tem ela consciência das repercussões futuras? Como analisar o fato segundo a Doutrina Espírita?

O Espírito André Luiz, no capítulo 4 ("Matéria Mental"), de Mecanismos da Mediunidade,  diz-nos que "Emitindo uma ideia, passamos a refletir as que se lhe assemelham, ideia essa que para logo se corporifica, com intensidade correspondente à nossa insistência em sustentá-la, mantendo-nos, assim, espontaneamente em comunicação com todos os que nos esposem o modo de sentir". Importa aqui é saber o tipo de ideia que estamos emitindo. É para o bem ou para o mal? Eis o problema.

Caráter e personalidade renegados em segundo plano. Muitos, por falta de recursos financeiros ou para enriquecer rapidamente, caem nessa falácia de enganar os outros. Contudo, nada fica impune ante a Lei de Deus, que está escrita na consciência de cada um de nós. Mais tempo ou menos tempo a nossa consciência busca ajustar-se à lei natural. Por isso, todo o cuidado para não incorrermos em erros pois, mesmo que não sejamos pegos pela justiça comum, a justiça divina é implacável. 

É por essa razão que os Espíritos superiores nos orientam a sofrer com paciência os males de nossa existência. A vida, por mais longa que seja, é um segundo no processo de evolução como um todo. Em casos desesperadores, a prece e a meditação ajudam sobremaneira a mantermos o nosso equilíbrio físico e espiritual, e assim direcionarmos o rumo no caminho à perfeição, cujo exemplo maior é Jesus Cristo, o nosso mestre por excelência.

Paciência é a palavra mágica. Já o evangelista Lucas (21,19) dizia que "Na vossa paciência possuíreis as vossas almas". Ao redor de nós, vozes, sons e barulho do vizinho. Tudo isso incomoda, mas se tivermos calma e exercitarmos a paciência, com certeza, iremos construindo uma resistência interior tal como o relógio durante a tempestade: lá fora, raios, trovões; dentro, o tique-taque sereno e tranquilo marcando a passagem do tempo.

Em vez de xingarmos, detratarmos aquele que nos enganou, aquele que quer tirar proveito de nossa simplicidade, oremos por ele e peçamos a Deus que possa mudar o seu modo de vida, porque todos somos parte da humanidade. As vibrações de paz e bom ânimo ao nosso próximo têm poder transcendental.

17 janeiro 2019

Opressão

Opressão é a imposição injustificável de um fardo a alguém ou a um grupo, mediante a interferência nos seus poderes, interesses e oportunidades. Opressor é aquilo ou aquele que impõe força sobre o mais fraco, que causa opressão. Opressão social é quando uma pessoa é alvo de humilhação por parte da sociedade ou de um determinado grupo. Opressão espiritual refere-se ao demônio que age sobre o indivíduo, fazendo com que este seja completamente dominado por ele.

Há vários tipos de opressões / opressores. Se passarmos os olhos pela história da humanidade, poderemos verificar os vários casos relatados. Na Idade Média, por exemplo, o Senhor Feudal exercia um poder sem limites sobre os vassalos. Observe as investidas do arianismo, ou seja, a obsessão pela raça pura implantada por Hitler na Alemanha. Hoje, temos o machismo, o racismo e, também, o feminismo.

A teoria da luta de classes, defendida por Karl Marx e Friedrich Engels no Manifesto do Partido Comunista, expressa o pensamento desses autores sobre a relação que há entre o opressor e o oprimido. Opressor é quem domina os meios de produção; oprimido, o proletariado. Por esta razão, Marx propõe a luta de classes, ou seja, o trabalhador, o explorado tem que pegar em armas e lutar contra o seu explorador, o patrão, o capitalista, para se libertar do jugo da mais-valia (parte do valor da força de trabalho dispendida por um determinado trabalhador na produção e que não é remunerado pelo patrão).

O jugo é a sujeição imposta pela força ou autoridade, uma espécie de opressão. Daí o consolo do Cristo para os cansados e oprimidos. Ele diz: "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve". (Mateus, 11: 25-26; 28-30)

Na pergunta 806 - Que pensar daqueles que abusam da superioridade da sua posição social para oprimir o fraco, em seu proveito? - de O Livro dos Espíritos, os Espíritos respondem que estes merecem o anátema. Ai deles! Serão oprimidos, ao seu turno, e renascerão numa existência em que sofrerão tudo o que fizeram sofrer.

Quais seriam, então, os males mais numerosos? São os que o homem cria pelos seus vícios, os que provêm do seu orgulho, do seu egoísmo, da sua ambição, da sua cupidez, de seus excessos em tudo. Aí a causa das guerras e das calamidades que estas acarretam, das dissenções, das injustiças, da opressão do fraco pelo forte, da maior parte, afinal, das enfermidades.

Parábola do Tesouro Escondido

Jesus, quando esteve encarnado, desenvolveu grande parte de sua doutrina contando parábolas. A parábola é uma pequena narrativa que usa alegorias para transmitir uma lição moral. A Parábola do Tesouro Escondido está expressa em duas citações:

1) "O Reino dos céus é semelhante a um tesouro que, oculto no campo, foi achado e escondido por um homem, o qual, movido de gozo, foi vender o que possuía e comprou aquele campo." (Mateus, 13, 44)

2) "O Reino dos Céus é semelhante a um negociante que buscava boas pérolas; e tendo achado uma de grande valor, foi vender tudo o que possuía e a comprou." (Mateus, 13, 46)

O Reino dos Céus não é um lugar circunscrito, mas o estado da alma, com o grau de perfeição adquirido. Por que é um tesouro oculto? Se estivesse à vista, não precisaríamos procurá-lo. A busca envolve esforço, dedicação, perseverança. Importa mais buscar o tesouro imperecível e não os que a traça corroí. Isso por que o natural no ser humano é ter posses, bens físicos e usufruí-los nos gozos da matéria.

A essência da Parábola do Tesouro Escondido pode ser assim expressa: O homem terreno morre e fica sem bens; o homem espiritual permanece para a vida eterna e o tesouro do céu, que ele adquiriu, é o que leva desta vida. Quanto ao "não deis pérolas aos porcos", podemos entender que os porcos não apreciam as pérolas, mas milho e ração. Nesse caso, o Reino dos Céus é comparado a uma pérola de valor raro.

Observamos que Jesus, nessas duas parábolas, enfatiza a felicidade e a ventura de quem encontra tais riquezas. Em ambas, predomina o sentido de transformação espiritual, pela aquisição de virtudes. Para tanto, o ser humano deve renunciar ao ponto de vista do mundo e aceitar as orientações dos mensageiros de luz, que desejam sempre o seu bem maior. O meio prático para tal transformação é o autoconhecimento, tal como Sócrates fazia na Antiguidade.

16 janeiro 2019

Assimilação de Correntes Mentais

"A mente permanece na base de todos os fenômenos mediúnicos."

Nossa mente é um núcleo de forças inteligentes. "Refletimos as imagens que nos cercam e arremessamos na direção dos outros as imagens que criamos". Os reflexos mentais favorecem tanto a estagnação quanto o progresso. Nesse sentido, cada um vive no inferno ou no céu que ele mesmo criou.  

"Assimilação de Correntes Mentais" é o título do capítulo 5 do livro Nos Domínios da Mediunidade, de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito André Luiz. "Clementino avançou em direção de Raul Silva (dirigente encarnado), perto de quem se postou em muda reflexão. Logo após, Áulus convidou-me ao psicoscópio e, graduando-o sob nova modalidade, recomendou-nos acurado exame". O psicoscópio funciona à base de eletricidade e magnetismo. Serve para auscultar a alma, com o poder de definir-lhe as vibrações e com capacidade de efetuar diversas observações em torno da matéria.

De posse do psicoscópio, qual foi a descrição de André Luiz? Observou que o sistema nervoso, os núcleos glandulares e os plexos emitiam luminescência particular. Justapondo-se ao cérebro, a mente surgia como esfera de luz característica, oferecendo em cada companheiro determinado potencial de radiação. O assistente Áulus aproveitou o ensejo e disse que, em qualquer estudo mediúnico, não podemos esquecer que a individualidade espiritual, na carne, mora na cidadela atômica do corpo.

Nosso instrutor explicou-nos que, o benfeitor espiritual que ora nos dirige, afigura-se mais pesado porque amorteceu o elevado tom vibratório em que respira habitualmente, descendo à posição do instrutor encarnado, tanto quanto seja possível, para benefício do trabalho que ora começa. Com isso, pode influenciar a vida cerebral do condutor da casa. "A cabeça venerável de Clementino passou a emitir raios fulgurantes, ao mesmo tempo que o cérebro de Silva, sob os dedos do benfeitor, se nimbava de luminosidade intensa, embora diversa".

Notamos que a prece os reunia mais fortemente entre si. O irmão Clementino, por sua vez, prestou seu serviço emitindo jato de forças mentais sobre a organização psíquica de Silva, como a corrente dirigida para a lâmpada elétrica. Clementino, no entanto, graduou o pensamento e a expressão, de acordo com a capacidade do nosso Raul e do ambiente que o cerca. A química do pensamento funciona da seguinte maneira: somos naturalmente vítimas ou beneficiários de nossas próprias criações, segundo as correntes mentais que projetamos.

Observação: no momento da prece, a comunhão entre Clementino e Silva foi o fenômeno da perfeita assimilação de correntes mentais que preside habitualmente quase todos os fatos mediúnicos.

Argueiro e a Trave, O

Argueiro é um cisco. Quando cai no olho incomoda-nos sobremaneira. A citação bíblica sobre o argueiro e a trave está assim expressa: "Por que vês tu, pois, o argueiro no olho do teu irmão, e não vês a trave no teu olho? Ou como dizes a teu irmão: Deixa-me tirar-te do teu olho o argueiro, quando tens no teu uma trave? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verá como hás de tirar o argueiro do olho de teu irmão." (Mateus, 7, 3-5)

Tópicos a serem ponderados.

Vemos o mal alheio antes do próprio. Para julgar a nós mesmos precisaríamos nos transportar para fora de nós e perguntarmos: Que pensaria eu, se visse alguém fazendo o que faço?

Disfarce dos próprios defeitos. É pelo orgulho que disfarçamos nossos defeitos, pois a verdadeira caridade é modesta, simples e indulgente.

O orgulho dificulta a nossa relação com o outro. Achando-nos melhores do que os outros, não vemos as coisas como realmente são.

"Não julgueis para não serdes julgados". Com a mesma medida que avaliarmos os outros seremos por eles medidos. Exemplo: mulher pega em adultério.

"Aquele que estiver sem pecado atire-lhe a primeira pedra". Esta máxima faz da indulgência um dever. Ensina que não devemos julgar os outros mais severamente do que nos julgamos a nós mesmos.

Implicação de se reprovar o próximo. Quando nos tornamos culpado por aquilo que condenamos a nossa autoridade moral fica deteriorada.

Ciências e Espiritismo

Quem precisa de quem? É o Espiritismo que precisa da ciência ou a ciência que precisa do Espiritismo? O Espírito Emmanuel, na pergunta 1 de O Consolador, esclarece-nos que, embora a necessidade não seja absoluta, a ciência é sempre útil. Na realidade, a ciência é que tem necessidade do Espiritismo, cuja finalidade é a iluminação dos sentimentos morais das criaturas. Neste livro, psicografado por Francisco Cândido Xavier, Emmanuel faz uma análise das ciências fundamentais: a Química, a Física, a Biologia, a Psicologia e a Sociologia.

A Química e a Física, catalogadas como ciência material, estudam a ação íntima dos corpos, suas relações entre si e as suas propriedades. A Psicologia e a Sociologia, representando a tábua da conquista da ciência intelectual, examinam os sentimentos e os problemas sociais. A Biologia é ciência da vida em suas profundezas, revelando a transcendência da origem — o Espírito, o Verbo Divino.

Anotemos algumas das questões para reflexão e análise.

Existe uma lei de progresso para a individuação química (Pergunta 7)?

Como a lei de evolução é universal, as individuações químicas possuem igualmente a sua rota para as primeiras expressões anímicas. Posteriormente, a química biológica torna-se o novo ciclo vital.

Como entender o "nada se cria, nada se perde" dos químicos (Pergunta 11)?

O espírito humano não cria a vida, o fluido vital. No entanto, todas as substâncias se transformam na evolução para mais alto.

A substância é igual em todos os mundos? Como compreender a revelação dos espectroscópios (Pergunta 22)?

O que se encontra no todo, existe igualmente nas partes. Contudo, como a Terra é um planeta muito singelo, o espectroscópio carece de propriedades para revelar tudo o que existe em outros mundos.

Há órgãos no corpo espiritual (Pergunta 30)?

O corpo físico é uma exteriorização aproximada do corpo perispiritual, exteriorização essa que se subordina aos imperativos da matéria mais grosseira.

A fecundidade e a esterilidade são provas (Pergunta 40)?

No aspecto material, sim. A esterilidade não existe para o espírito que, na Terra, ou fora dela, pode ser fecundo em obras de beleza, de aperfeiçoamento e de redenção.

A psicologia freudiana representa um traço de aproximação entre a Psicologia e o Espiritismo (Pergunta 45)?

Os preconceitos científicos, por enquanto, impossibilitam a aproximação legítima da Psicologia oficial e do Espiritismo. Somente com o Espiritismo poderão compreender que a zona oculta (subconsciência) é o arquivo das conquistas pretéritas do espírito.

Tem o Espiritismo um papel especial junto da sociologia (Pergunta 59)?

Como as conquistas da civilização se subvertem no extremismos, o Evangelho do Cristo, segundo a codificação espírita, esclarece os valores legítimos das criaturas.

Extraído de: XAVIER, Francisco Cândido. O Consolador. Pelo Espírito Emmanuel. Rio de Janeiro: Feb, 1977.

15 janeiro 2019

Riqueza e Pobreza

RiquezaEm sentido lato é tudo quanto pode satisfazer uma necessidade ou um desejo. Em sentido restrito, são os bens ou riquezas, que têm um valor econômico, que são, por isso, chamados de bens econômicos. Pobreza. Pessoa que não tem condições básicas para garantir a sua sobrevivência com qualidade de vida e dignidade.

A questão da riqueza e da pobreza, ventilada por muitos pensadores, nunca teve uma solução satisfatória. Por que razão? Porque carecem de uma visão mais ampla, em que se leve em conta a lei da reencarnação. Há explicações paliativas sobre a possível igualdade absoluta, como por exemplo, que a igualdade absoluta só existiria se todos fossem semelhantes e precisassem da mesma quantidade de renda.

Pensando apenas na vida atual, a riqueza e a pobreza têm solução pífia. Em termos matemáticos, a riqueza igualmente repartida daria para cada um uma parte mínima e insuficiente; que, supondo-se essa repartição feita, o equilíbrio estaria rompido em pouco tempo, pela diversidade de caracteres e das aptidões.O princípio da reencarnação, adotado pelo Espiritismo, é a base para entendermos as questões das desigualdades de riqueza e sociais. A reencarnação mostra a justiça divina. No que tange à riqueza, todos passaremos por ela, quer seja nesta vida ou em outras. 

Deus criou todos os Espíritos iguais, mas cada um viveu mais ou menos tempo e por conseguinte realizou mais ou menos aquisições; a diferença está no grau de experiência e na vontade, que é o livre-arbítrio: daí decorre que uns se aperfeiçoam mais rapidamente, o que lhe dá aptidões diversas. Como os mundos são solidários, a mistura de aptidões é necessária para a evolução da Humanidade: o que um não faz, o outro faz, e é assim que cada um tem a sua função útil.

Ainda: a riqueza não é um mal em si mesma porque, em boas mãos, ela pode promover o desenvolvimento da indústria e do comércio, propiciando melhores condições de vida para os habitantes de uma dada região.

Em Torno da Fixação Mental

"A ideia fixa pode operar a indefinida estagnação da vida mental no tempo." (Espírito André Luiz)

O Espírito André Luiz, pela pena de Chico Xavier, escreveu, em 1955, o livro Nos Domínios da Mediunidade. "Em Torno da Fixação Mental" é o capítulo 25 da referida obra e trata, principalmente da ideia fixa, que, segundo a psicologia, tem relação com a depressão onde pessoa pensa que nada vai dar certo. Isto torna a pessoa debilitada incapaz de reagir, que é profundamente aumentado pela baixa da autoestima.

Falando sobre a cristalização das ideias, tomou o exemplo do drama de nosso infortunado companheiro, há séculos imobilizado nas ideias de vingança. Pergunta: estará nessa posição lamentável, por tantos anos, sem ter reencarnado? O assistente Aulus esclarece que, depois da morte do corpo físico, continuamos desenvolvendo os pensamentos que cultivávamos na experiência da carne.

O estado da alma na Terra é simbolizado pela reencarnação. A reencarnação é uma oportunidade de evolução. Se, por incúria, fracassamos, voltamos nos acertos da morte, para a retaguarda, onde nos confundimos com os retardados de toda espécie. Não podemos esquecer que a Lei traça princípios universais que não podemos trair. Por isso, "a ideia fixa pode operar a indefinida estagnação da vida mental no tempo."

A imobilização da alma pode ser vista da seguinte maneira: quando estamos felizes o tempo voa; tristes, não passa. Qualquer grande perturbação interior (paixão, desânimo, crueldade...) pode imobilizar-nos por tempo indefinível. É por isso que se diz que o relógio inflexível assinala o mesmo horário para todos; entretanto, o tempo é leve para os que triunfaram e pesado para os que perderam. A mente estacionária na deserção da lei sofre angustiosos pesadelos, despertando quase sempre em plena alienação.

Qual o remédio mais adequado à situação? Muitas delas se entendiam do mal e procuram a regeneração por si mesmas. Outras, porém, recalcitrantes e inconformadas, são constrangidas à reencarnação. Nesse caso, a reencarnação não será compulsória? Não é um ato de violência? Quando aparece um louco em nossa casa, não assumimos a responsabilidade do tratamento? O mesmo acontece com os desertores contumazes da Lei. Mesmo encaminhadas à reencarnação, o soerguimento é vagaroso. Observe as crianças retardadas, que necessitam do amor extremado dos pais.

E quanto aos esquizofrênicos e paranoicos? Estes perderam o senso das proporções, situando-se em falso conceito de si mesmos. Quase todas as perturbações congeniais da mente, na criatura reencarnada, dizem respeito a fixações que lhe antecederam a volta ao mundo.

Leis de Deus

Jesus, ao proferir o Sermão da Montanha, disse: "Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei vós também a eles, porque esta é a lei e os profetas". (Mateus 7,12) Esta é a maior lei. Se todos os viventes a colocassem em prática, nosso planeta Terra, com certeza, respiraria outros ares, ares de bondade, fraternidade e respeito ao próximo. Nessa frase sintética, Jesus nos ensinou que as leis de Deus não são dogmas, rituais, mas leis naturais.

Allan Kardec, na pergunta 614 de O Livro dos Espíritos, diz-nos que a lei natural é a lei de Deus. É a única verdadeira para a felicidade da criatura humana. Indica-lhe o que deve fazer ou deixar de fazer e ele só é infeliz quando dela se afasta. Na pergunta 621, os Espíritos de luz acrescentam que esta lei está escrita na consciência do ser humano, ou seja, ninguém pode deliberadamente dizer que a desconhece, admitindo sua ignorância por não atendê-la.

Todas as leis da Natureza são leis de Deus, pois Deus é o Criador do Universo. As leis da matéria são estudadas pelos cientistas que, pelos seus experimentos, ajudam a humanidade em diversos pontos, tais como, engenharia genética, robótica, sociologia, etc. O homem de bem, por seu turno, estuda as leis morais, os ensinamentos trazidos por Cristo e tenta colocar em prática os conhecimentos espirituais que daí dimanam.

Se o ser humano traz na consciência a lei de Deus, há necessidade de ela ser revelada? Na pergunta 621a de O Livro dos Espíritos, os Espíritos nos informam que o homem a havia esquecido e desprezado; Deus quis que ela fosse lembrada. Daí, a vinda do Cristo, animado do Espírito divino, e que foi o ser mais puro que já apareceu na Terra. Os ensinamentos de Cristo devem ser como um modelo, um ideal a ser alcançado. Por isso, muita calma quando não conseguimos colocar em prática as suas máximas evangélicas.

Qual a utilidade da Doutrina Espírita, codificada por Allan Kardec, se Jesus ensinou as verdadeiras leis de Deus? Lembremo-nos de que os ensinos de Jesus, à semelhança de Sócrates, foram orais e alegóricos. Isso dá margem a muitas interpretações e deturpações. Por isso, o anúncio do Consolador Prometido, que daria uma explicação que fosse mais inteligível para todos, e relembraria os verdadeiros ensinamentos do mestre Jesus.

Para mais informações, reler o Livro Terceiro - "As Leis Morais" de O Livro dos Espíritos. Neste tópico, há o estudo das lei de adoração, lei do trabalho, lei de reprodução etc.


14 janeiro 2019

Preparo do Trabalhador Espírita

"Quando o trabalhador está pronto, o serviço aparece." (Espírito André Luiz)

O trabalhador espírita se encaixa em muitas situações e pode ser analisado sob diversos ângulos: instrutor, pesquisador, escritor, romancista etc. Geralmente, esta denominação presta-se mais ao trabalhador dentro de uma Casa Espírita, especificamente àquele que colabora nas sessões de passe, doando seus fluidos ou servindo de intermediário aos Espíritos, para o diálogo de entendimento e libertação.

A formação de um trabalhador espírita é obra de longo prazo, pois há muitos detalhes a serem lembrados. No Centro Espírita Ismael, que segue as linhas da Federação Espírita do Estado de São Paulo, a duração é de quatro anos, tempo este referente aos quatro anos do Curso de Educação Mediúnica. No Curso de Educação Mediúnica, há discussão sobre os aspectos teóricos e práticos da mediunidade. Além do aspecto técnico, há o estudo e reformulação dos hábitos e automatismos.

O preparo do trabalhador espírita deve começar logo pela manhã. Ao despertar,  cultivar atitude mental positiva. Evitar deliberadamente rusgas e discussões, sustentando paciência e serenidade, acima de quaisquer transtornos que sobrevenham durante o dia. Na alimentação, nada de se empanturrar. Lembre-se de que quando o estômago está cheio, o cérebro fica inábil, pois a digestão consome grande parcela de energia, impedindo a função mais clara do pensamento.

O Espírito André Luiz, no livro Desobsessão, dá-nos mais orientações sobre o procedimento do trabalhador espírita:

  • Antes das reuniõesApós o trabalho, seja de que espécie for, faça o horário possível de refazimento do corpo e da alma. Repouso externo e interno. Relaxe, com ideações edificantes. Abstenção de pensamentos impróprios. Aspirações para cima.
  • Chuva e visitas inesperadas. O tarefeiro não se prenderá a problemas da chuva. Em se tratando das visitas, esclarecer o assunto delicadamente, empregando franqueza e humildade.
  • Impedimentos naturais. Surgindo uma viagem, moléstia grave, é importante que o companheiro ou a companheira se comunique, rápido, com os responsáveis pela sessão, atentos a que se deve assegurar a harmonia do esforço de equipe tanto quanto possível.
  • Trabalho de efeitos físicos. Em se tratando da preparação do médium, este é submetido a operações magnéticas destinadas a socorrer-lhe o organismo nos processos de nutrição, circulação, metabolismo e ações protoplásmicas, a fim de que seu equilíbrio fisiológico seja mantido acima de qualquer surpresa menos agradável.
  • Pontualidade. A hora de início das tarefas (15 minutos antes da hora marcada) precisa mostrar-se austera, entendendo-se que o instante do encerramento é variável na pauta das circunstâncias.

Vedas, Os

Os Vedas - do sânscrito, conhecimento, saber sagrado, ou Livros da Sabedoria, são a mais antiga literatura religiosa da Índia. É base para o bramanismo, hinduísmo e, indiretamente, o budismo. Os primeiros livros surgiram aproximadamente há 1500 a.C. Esses livros representam a fixação escrita dos ensinos orais repetidos ao longo do tempo. Por isso, são também conhecidos por Shruti (ensino oral). Admitiam 33 deuses, divididos em 3 grupos de 11, ocupando o Alto Céu, a Atmosfera e a Terra.

Veda é a sabedoria que se adquire por meio do ouvido, não pelos olhos. Em lugar de "está escrito", usa-se o "está ouvido". As principais coleções de textos podem ser assim divididas: o Rigveda (o livro das orações e dos hinos) [parte mais antiga], o Yajurveda (o livro das fórmulas de consagração), o Samaveda (o livro dos cânticos) e o Atarveda (um livro de encantamentos mágicos e especulação filosófica).

O componente filosófico dos Vedas está contido nos Upanixades. Os Upanixades (sânscr. upanisad, o ato de algo que se senta) são parte das escrituras Shruti hindus, que discutem meditação e filosofia, e que a maioria das escolas do hinduísmo consideram-nos como instruções religiosas. Constituem, também, o principal comentário filosófico original às escrituras hindus. 12 de seus 123 livros são considerados básicos por todos os hinduístas. Vedanta é a escola filosófica hindu interessada em proteger a verdade literal dos Upanixades.

O deus principal dos Vedas é Brama, ao qual associaram uma divindade conservadora (Vixinu) e outra destruidora (Xiva), cuja trindade denominou-se Trimúrti. Desta trindade, originou-se o regime de castas: da cabeça de Brama saíram os brâmanes (sacerdotes e reis); do braço, os xátiras (guerreiros); da coxa, os vaicias (negociantes e industriais) e dos pés, sudras (servidores). Abaixo de todas elas havia ainda a dos párias, que não podiam morar nas cidades, nem manter relações de quaisquer espécies com os membros das demais castas.

O sacrifício tem destaque relevante no Vedismo. Como acreditam que os mortos têm necessidade de alimentos para sobreviver, os deuses também; por isso, com a ajuda do fogo, celebram sacrifícios em seu louvor, e que lhes vertam o soma, licor da imortalidade. O sacrifício mantém os deuses; o sacrifício criou os deuses. Assim, é o ato que criou o ser. Este sacrifício, por meio dos deuses, permite satisfazer os desejos humanos: sobrevivência, longevidade, riqueza, descendência masculina. A salvação é a salvação pelo sacrifício.

Fonte de Consulta

BLACKBURN, Simon. Dicionário Oxford de Filosofia. Consultoria da edição brasileira, Danilo Marcondes. Tradução de Desidério Murcho ... et al. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

CHALLAYE, F. As Grandes Religiões. São Paulo: Ibrasa, 1981.

EDIPE - ENCICLOPÉDIA DIDÁTICA DE INFORMAÇÃO E PESQUISA EDUCACIONAL. 3. ed. São Paulo: Iracema, 1987.

01 janeiro 2019

Ano Novo, Vida Nova - 2019

O ritual de renovação, que a maioria das pessoas faz no início de cada ano, é extremamente salutar. Projetar mudança de atitude e comportamento ajuda muito a nossa vida mental. Nada melhor do que fazê-lo no primeiro dia do ano, pois nesse dia estamos mais leves, mais soltos, e distante das preocupações que se sucedem normalmente ao longo do ano. As expectativas, grafadas com palavras, reforçam o nosso comprometimento para com a responsabilidade da realização.

Aproveitamo-nos desta oportunidade para pedir aos bons Espíritos o amparo para nós, individualmente, e para todos os viventes neste planeta de provas e expiações. Um pedido especial para nosso país (Brasil), pois teremos a posse de um novo presidente, ou seja, o Sr. Jair Bolsonaro. Que ele possa atender aos anseios de toda a população brasileira.

Tenhamos em mente o velho ditado: "Tempo perdido não volta mais". Quer dizer, nada de pusilanimidade quando formos instados a mudar os nossos hábitos e costumes.

Que os bons Espíritos possam estar sempre nos assessorando e nos enviando avisos e advertências para que possamos cumprir os nossos deveres, pequenos ou grandes, com galhardia.