03 março 2010

Entorpecimento das Habilidades Espirituais

“Nunca há suficiente tempo para fazer tudo o que se deseja, mas bastante para fazer as coisas importantes”.

Vários pensadores contemporâneos vêm detectando uma apatia espiritual que domina o mundo. Eles dizem que esse entorpecimento de perceber a transcendência do ser é um tipo de doença ou miopia cultural, uma das questões centrais de nossa época. As pessoas, seduzidas pelo sistema de valor de consumo, acabam se desmoralizando eticamente. Isso faz com que não contemplem uma “ordem mais ampla do Ser”. Há, assim, uma necessidade premente da “limpeza das portas da percepção”.

Para despertar esse embotamento espiritual, é importante que o ser humano se dedique a limpar as portas de sua percepção. Para isso, ele tem que desenvolver o seu lado moral, espiritual e religioso. No hinduísmo, o estado entorpecido é um tipo de ilusão (maya); no budismo, é a ignorância (avidya), em que o indivíduo perde o senso da realidade última e se dedica inteiramente à realidade parcial, como se fosse a realidade última.

Todas as tradições espirituais divulgam ensinamentos úteis ao despertamento do ser para uma realidade maior. Nesse sentido, cada um de nós deveria sempre pensar além da tribo, do povo, da humanidade e da própria natureza, a fim de se aproximar dessa realidade última. John Hick, filósofo e estudioso das religiões, por exemplo, afirma que as várias tradições religiosas do mundo compartilham um senso de transcendência, em que há a substituição do sentimento egoísta por uma devoção que produz compaixão e amor para com os outros seres humanos.

A visão de mundo de cada ser humano é sumamente importante para propiciar esse despertamento. Os textos religiosos, do passado e do presente, podem nos ajudar nesse objetivo. Paulo, em suas prédicas evangélicas, diz-nos que devemos morrer para nós mesmos de modo que Cristo possa viver em nós. Na mesma linha de pensamento, o budista, para atingir o Nirvana, diz que não devemos nos fixar a nada a não ser à estranha e vazia “existência em si” de toda a realidade.

No Espiritismo, há uma quantidade imensa de escritos, em forma de textos e mensagens, no sentido de despertar o ser humano para o mundo espiritual, o verdadeiro mundo. O Espírito Emmanuel, pela pena de Chico Xavier, leva-nos a descortinar novos horizontes, novas maneiras de pensar e de nos relacionarmos com os semelhantes e o meio ambiente que nos envolve. Refletindo sobre as suas mensagens, vamos nos fortalecendo moral e espiritualmente.

É importante que estejamos sempre nos despojando das coisas inúteis, daquilo que pode dificultar a nossa passagem para os mundos superiores. Entremos pela "porta estreita" e não pela "porta larga" da perdição.

Nenhum comentário: