30 março 2014

Amor e Ódio

Amor - palavra polissêmica que nos leva a diversos significados. Entre eles, encontramos a seguinte definição: é uma força tendente a aproximar e a unir, numa relação particular, dois ou mais seres. É um sentimento que leva a desejar o bem de outrem ou de alguma coisa. Ódio - sentimento profundo de raiva ou rancor, que leva a desejar ou a causar o mal de alguém. Aversão intensa, profunda, causada por medo, ofensa recebida. 

"Amor-ódio" é um tipo de relação que ainda precisamos para nos expressar. Amor e ódio opõem-se, mas não é uma oposição radical, pois a intensidade de um (amor) pode transformar-se no outro (ódio), e vice-versa.

Grosso modo, podemos dizer que há três tipos de amor: amor egoísta (posse do bem amado), amor racional (amor pelo uso da razão) e amor doação ou incondicional (aquele ensinado por Jesus, no sentido de dar sem querer nada em troca). O amor egoísta, por exemplo, é um misto de ódio e loucura, porque odeia e fere quem busca aproximar-se de seu amor. Este sentimento tem a mesma intensidade com relação à pessoa amada.

O ódio é classificado como sentimento universal. Se não fosse, não haveria tantos massacres, tantas guerras, tantas destruições. Segundo Spinoza, odiar é entristecer com. Quando alguém se entristece com o outro “se esforça por afastar e destruir a coisa pela qual tem ódio”. Segundo o Espiritismo, o “ódio é uma forma defeituosa da manifestação do amor”; “é reação do primitivismo animal, instinto em trânsito para a inteligência, que ainda não pôde superar as expressões dos começos passados”; “todavia, na maior parte das vezes, o ódio é o gérmen do amor que foi sufocado e desvirtuado por um coração sem Evangelho”. (1)

Para ilustrar essa nossa reflexão, lembremo-nos de algumas frases sobre o ódio e o amor: 

"O ódio é o prazer mais duradouro; / os homens amam com pressa, mas odeiam com calma." (G. G. Byron)
"Dá-me sempre mais amor ou mais desprezo, / a zona tórrida ou glacial." (Th. Carew) 
"Odeio e amo. Talvez me perguntes por quê. / Não sei. Sei apenas que é assim e que sofro." (Catulo, poeta latino [87-54 a.C.]) 
"O ódio não cessa com o ódio em tempo algum, o ódio cessa com o amor: esta é a lei eterna." (Dhammapada) 
"A julgar o amor pela maior parte de seus efeitos, ele se assemelha mais ao ódio do que à amizade." (F. La Rochefoucauld) 
"Nada no mundo é mais doce do que o amor, / e depois dele é o ódio a coisa mais doce." (H. W. Longfellow) 
"Onde amor e ódio não concorrem ao jogo, o jogo da mulher torna-se medíocre." (F. W. Nietzsche) 
"Odiarei, se puder, caso contrário amarei, contra a minha vontade." (Ovídio)


(1) EQUIPE DA FEB. O Espiritismo de A a Z. Rio de Janeiro: FEB, 1995.


Nenhum comentário: