06 outubro 2016

Atlântida

Atlântida diz respeito aos relatos sobre um continente ou ilha gigantesca, situada em algum local do oceano, que desapareceu numa catástrofe. Pelo fato de existirem inúmeras obras sobre a Atlântida, começa-se a considerá-la não apenas como uma lenda mas como uma realidade. Atlante vem do tolteca atlan, que significa "no meio da água". 

Os primeiros relatos sobre a Atlântida surgiram no Timeu e no Crítias de Platão, por volta de 380 a.C., e descrevem a localização (oceano Atlântico) e a forma de governo da sociedade atlante (9 mil anos antes). Essencialmente, Atlântida seria uma civilização poderosa, com imensos conhecimentos filosóficos e científicos, cuja influência no planeta teria causado um grande choque.

Para James Churchward, a existência da Atlântida é mais antiga do que Platão havia exposto. Esta hipótese é confirmada pelo arqueólogo Henry Schliemann. Essas informações foram dadas por Paul Schliemann, neto de Henry Schliemann que, ao vasculhar os trabalhos inacabados do avô, encontra nos hieróglifos fenícios uma inscrição referindo-se à Atlântida.

A Atlântida tem relação com as doutrinas ocultas. Primeiramente, as semelhanças encontradas entre as civilizações dos egípcios e dos maias ratificam tal aceitação. Os ocultistas acreditam que os sacerdotes da Atlântida praticavam o psiquismo científico, sendo capazes de prever o futuro e realizar curas. 

Em termos espíritas, há duas citações: 1) do Espírito Emmanuel, em A Caminho da Luz, que descreve os grandes agrupamentos primitivos da Lemúria, da Atlântida e de outras regiões que ficaram imprecisas no acervo do conhecimento dos povos; 2) de Edgar Armond, em Os Exilados de Capela, que relata que parte dos Espíritos provenientes de Capela teria se tornado os constituintes da terceira e quarta raça de "atlantes".

Fonte de Consulta

SCHOEREDER, Gilberto. Dicionário do Mundo Misterioso: Esoterismo, Ocultismo, Paranormalidade e Ufologia. Rio de Janeiro: Record: Nova Era, 2002.

Complemento

O livro de W. Scott-Elliot, Atlântida e Lemúria: Continentes Desaparecidos, traduzido por Rubens Rusche, da editora Pensamento, 1995, baseia-se em pesquisas que utilizaram recursos da clarividência e estudos esotéricos. 

Na suas pesquisas, usa as seguintes fontes que fornecem dados corroborativos: 

Primeira, as provas das sondagens do fundo do mar.


Segunda, a distribuição da fauna e da flora.
Terceira, a similaridade de língua e dom tipo etnológico.
Quarta, a similaridade de crença, ritual e arquitetura religiosas. 
Quinta, os depoimentos dos antigos escritos, as tradições de raças primitivas e as antigas lendas a respeito do dilúvio. 

Acredita que:

A raça atlante pode ter ocupado um vasto ambiente que se estendia desde o ponto a leste da Islândia até a região atualmente ocupada pelo Rio de Janeiro. O primitivo continente da Lemúria pode ter sido um continente hoje submerso no Oceano Índico, e se estendia ao sul do que é hoje a Ásia, atingindo a leste a Índia e as ilhas Sunda, e chegando a oeste a Madagascar e à costa sul da África. 

A destruição da Atlântida foi motivada por uma série de catástrofes das mais variadas espécies, e submergiu em decorrência de grandes maremotos; o continente da Lemúria pereceu por ação vulcânica. 





Nenhum comentário: