16 setembro 2020

Cristianismo Primitivo

O Cristianismo primitivo pode ser entendido como os ensinamentos evangélicos (em estado puro) que Jesus transmitiu aos seus discípulos. O Cristianismo é um corpo doutrinário sem remendos, sem peças justapostas. Em suas máximas, temos: a prática da caridade, o amar ao próximo como a si mesmo, o oferecer a face esquerda quando baterem na direita etc.

Jesus, quando esteve encarnado, já previa a desfiguração dos seus ensinamentos. Tanto é verdade que, em João 14, 15 a 17 e 26, há o seguinte: “Mas o Consolador, que é o Santo-Espírito, que meu Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará relembrar de tudo aquilo que eu vos tenha dito". Nota-se que ensinar e relembrar tem relação com esquecido ou deturpado.

As pessoas, ao longo do tempo, foram criando narrativas diferentes para a boa nova apresentada por Jesus. Além dessas narrativas, acrescentemos, também, os interesses políticos e religiosos. Politicamente, a conversão ao Cristianismo pelo imperador Constantino, que propiciou o surgimento do catolicismo. Religiosamente, lembremo-nos do Padre Alta que disse: “Fomos desfigurando o Cristianismo do Cristo para aceitarmos o Cristianismo dos vigários".

Em termos da volta ao Cristo e à pureza de seus ensinamentos, ressaltemos o grande trabalho dos protestantes, que foram os grandes tradutores da Bíblia [para a língua pátria], diretamente dos textos originais hebraicos e gregos. Entre tais nomes, temos: John Wycliff (1328-1384), Martinho Lutero (1483-1546), William Tyndale (1484-1536) e King James (1566-1625) que reuniu uma série de estudiosos para traduzir a Bíblia para o inglês. Objetivo; libertar o povo das garras papais. 

Introduzamos Jan Huss (1369-1415) nesse contexto. John Wycliff (1328-1384), em 1380, usou a Vulgata de São Jerônimo e traduziu alguns escritos para o inglês. Depois de 40 anos, o papa mandou desenterrar o seu corpo, queimar seus ossos e jogar as cinzas no rio. Ele era apenas um tradutor. Dez anos mais tarde, Jan Huss [encarnação anterior de Allan Kardec] levou as ideias de Wycliff para a Boêmia. Foi queimado junto aos livros e à Bíblia somente pelo fato de querer a volta à palavra da escritura.

O Espiritismo, como Consolador Prometido, tem a missão de restaurar os ensinamentos puros veiculados por Jesus: ensinará todas as coisas e nos lembrará daquelas que foram esquecidas. Nesse sentido, o espírita tem o dever de divulgar os conhecimentos de Jesus, sem os dogmas da Igreja e o espírito de sistema. O procedimento: debruçando-se sobre as obras básicas e complementares, para que suas ações sejam sempre bem fundamentadas.

 

Nenhum comentário: