15 janeiro 2019

Leis de Deus

Jesus, ao proferir o Sermão da Montanha, disse: "Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei vós também a eles, porque esta é a lei e os profetas". (Mateus 7,12) Esta é a maior lei. Se todos os viventes a colocassem em prática, nosso planeta Terra, com certeza, respiraria outros ares, ares de bondade, fraternidade e respeito ao próximo. Nessa frase sintética, Jesus nos ensinou que as leis de Deus não são dogmas, rituais, mas leis naturais.

Allan Kardec, na pergunta 614 de O Livro dos Espíritos, diz-nos que a lei natural é a lei de Deus. É a única verdadeira para a felicidade da criatura humana. Indica-lhe o que deve fazer ou deixar de fazer e ele só é infeliz quando dela se afasta. Na pergunta 621, os Espíritos de luz acrescentam que esta lei está escrita na consciência do ser humano, ou seja, ninguém pode deliberadamente dizer que a desconhece, admitindo sua ignorância por não atendê-la.

Todas as leis da Natureza são leis de Deus, pois Deus é o Criador do Universo. As leis da matéria são estudadas pelos cientistas que, pelos seus experimentos, ajudam a humanidade em diversos pontos, tais como, engenharia genética, robótica, sociologia, etc. O homem de bem, por seu turno, estuda as leis morais, os ensinamentos trazidos por Cristo e tenta colocar em prática os conhecimentos espirituais que daí dimanam.

Se o ser humano traz na consciência a lei de Deus, há necessidade de ela ser revelada? Na pergunta 621a de O Livro dos Espíritos, os Espíritos nos informam que o homem a havia esquecido e desprezado; Deus quis que ela fosse lembrada. Daí, a vinda do Cristo, animado do Espírito divino, e que foi o ser mais puro que já apareceu na Terra. Os ensinamentos de Cristo devem ser como um modelo, um ideal a ser alcançado. Por isso, muita calma quando não conseguimos colocar em prática as suas máximas evangélicas.

Qual a utilidade da Doutrina Espírita, codificada por Allan Kardec, se Jesus ensinou as verdadeiras leis de Deus? Lembremo-nos de que os ensinos de Jesus, à semelhança de Sócrates, foram orais e alegóricos. Isso dá margem a muitas interpretações e deturpações. Por isso, o anúncio do Consolador Prometido, que daria uma explicação que fosse mais inteligível para todos, e relembraria os verdadeiros ensinamentos do mestre Jesus.

Para mais informações, reler o Livro Terceiro - "As Leis Morais" de O Livro dos Espíritos. Neste tópico, há o estudo das lei de adoração, lei do trabalho, lei de reprodução etc.


Nenhum comentário: