06 setembro 2010

Depressão e Espiritismo

Depressão é o estado de abatimento psíquico e físico. É normal que as pessoas tenham períodos de depressão nervosa, mas quando ela é muito acentuada ou quando tende a se manter por períodos muito longos, pode-se tratar de uma perturbação mental. A psiquiatria é a ciência que cuida desses problemas mais graves, pois concebe a depressão como uma doença. Nesse caso, pode-se buscar a cura, inclusive com uso de remédios.

A depressão não é característica apenas da era moderna Na Bíblia, há relatos sobre os padecimentos dos atingidos pelo infortúnio, aqueles que perderam a fé em Deus, e com isso a esperança no futuro. Hipócrates, o pai da medicina, no século IV a.C., já nos esclarecia que a depressão tinha relações estreitas com o temperamento melancólico. Na Idade Média, esteve associada à força mística de alguma entidade misteriosa. Somente no século XVIII é que passou a ter características de método científico.

Os tipos de depressão são os mais variados. Há os casos próprios (depressão endógena) e os provenientes de doenças e frustrações várias. Exemplo: depressão das doenças orgânicas (hepatite, câncer, enfarte, Parkinson); depressão traumática (acidentes automobilísticos, acidentes de trabalho); depressão dos lutos patológicos; depressão em virtude da decepção amorosa.

Algumas estimativas numéricas: a depressão afeta 15 a 20% das mulheres e 5 a 10% dos homens; aproximadamente 60% das pessoas com depressão não fazem tratamento; atualmente 10% da população mundial sofrem do mal. Em dez anos, acredita-se que esse número será de 20%; recentemente, a Organização Mundial da Saúde classificou a depressão como uma das doenças que mais causam incapacidade. É a 4.ª numa lista de 5. Até 2020 terá ocupado o 2.º posto.

No Espiritismo, os passes e as prédicas evangélicas curam a depressão? Não resta dúvida que os fluidos emitidos pelos passes, seguidos pelas orientações doutrinárias espíritas, são extremamente úteis. Entretanto, o tratamento médico deve vir em primeiro lugar; os passes e as palestras são complemento não substituição. Tratar de uma obsessão quando o problema é físico pode gerar graves incômodos ao sujeito com depressão.

A depressão de hoje pode ter íntimas relações com vivências passadas. O Espírito André Luiz, no capítulo 4 de “No Mundo Maior”, oferece-nos subsídios para compreendermos o cérebro intoxicado. É caso do sujeito que assassinou o padrasto, roubou-lhe certa quantia de dinheiro, mas não deixou pista alguma à justiça. “Conseguiu ludibriar os homens, mas não pode iludir a si mesmo”. O padrasto, já no mundo espiritual, concentrando a mente na ideia de vingança, passou a segui-lo ininterruptamente. Daí em diante não teve mais sossego, por mais que trabalhasse e cuidasse dos seus familiares.

O Espírito Joana de Ângelis, nesta linha de vivências passadas, mostra-nos, na mensagem “Nostalgia e Depressão”, que as pessoas vitimadas pela insegurança e pelo arrependimento, perdem a liberdade de movimentos, de ação e de aspiração. A nostalgia reflete evocações ricas de momentos felizes, que não mais se experimentam. Pode perfeitamente proceder de existências passadas do Espírito.

Em vista da gravidade da depressão, que é o desarranjo do nosso estado mental, saibamos cultivar pensamentos de paz, alegria e bom ânimo, alicerçados nas prédicas trazidas por Jesus.



Nenhum comentário: