07 setembro 2013

Fotografia e Telegrafia do Pensamento

É possível um fenômeno psicológico transformar-se em fisiológico? O pensamento pode ser fotografado? Como tratar este tema à luz do Espiritismo?

Tenhamos em mente que o pensamento propriamente dito não pode ser fotografado porque ele não é matéria.

Ernesto Bozzano, em Pensamento e Vontade, fala-nos da fotografia do pensamento no sentido de alguém projetar uma imagem qualquer; depois, esta imagem é captada por uma máquina fotográfica. Allan Kardec, por sua vez, liga fotografia do pensamento aos fluidos espirituais. Para tal, em A Gênese, explica-nos que os fluidos espirituais constituem um dos estados do fluido cósmico universal. São a atmosfera dos seres espirituais; são o elemento onde eles colhem os materiais com que operam. São o veículo do pensamento, como o ar é o veículo do som.

Para melhor compreenderemos, tenhamos em mente que é pelo pensamento e pela vontade que os Espíritos agem sobre os fluidos espirituais, imprimindo-lhes uma direção, tanto para o bem quanto para o mal. Esse teor energético forma o halo mental da criatura. Ao criarmos imagens fluídicas, o nosso pensamento se reflete em nosso envoltório perispirítico como num espelho. Isso toma um corpo, podendo ser fotografado, ou seja, captado pelo nosso interlocutor. Em se tratando de um Espírito desencarnado, basta que ele pense em algo que essa coisa se produza. Se ele pensar em uma de suas encarnações passadas, essa imagem se reproduz na visão psíquica do encarnado.

Continuando o estudo, verificamos que o vidente pode pressentir o momento da realização de um ato, mas não o ato propriamente dito. A razão é simples: o vidente pressente a realização, porque essa imagem está estampada na atmosfera psíquica de uma determinada pessoa. Não pode, contudo, determinar a sua realização, porque a realização depende do livre-arbítrio do agente. O vidente pode pressentir que uma pessoa tem vontade de cometer um assassinato, mas não o assassinato em si.

Pela telegrafia do pensamento, podemos apreciar a lei de solidariedade, em que não há um pensamento, criminoso ou virtuoso, que não tenha ação real sobre a massa dos pensamentos humanos e sobre cada um deles. Nesse sentido, a atmosfera psíquica de nosso Planeta nada mais é do que a soma de todos os pensamentos dos que nele habitam.

Tenhamos cuidado com o teor energético do nosso pensamento. Sem o percebemos, podemos criar imagens deletérias na mente de nossos irmãos de jornada.

Fonte de Consulta 

KARDEC, Allan. A Gênese - Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 17. ed., Rio de Janeiro: FEB, 1975.

KARDEC, A. Obras Póstumas. Tradução de Guillon Ribeiro. 15.ed., Rio de Janeiro: FEB, 1975. 





Nenhum comentário: