28 fevereiro 2019

Espiritismo: Ideia Nova

O Espiritismo é uma doutrina dos Espíritos e não de Allan Kardec. Allan Kardec apenas codificou, ou seja, reuniu o material ditado pelos Espíritos, material este colhido das diversas comunicações mediúnicas ao redor do mundo. A Doutrina Espírita fundamenta-se nas obras básicas, que são O Livro dos Espíritos, (1857), O Livro dos Médiuns (1861), O Evangelho Segundo o Espiritismo (1864), O Céu e o Inferno (1865) e A Gênese (1868), e nas obras complementares, principalmente as doze coleções da Revista Espírita (1858-1869).

Ideia nova é uma ideia que vai de encontro com o status quo da concepção comum. É como um despertar para novas realidades. As mentes fechadas preferem ficar resistentes, empedradas no velho, no cotidiano. Mas a espiritualidade sempre manda os seus mensageiros para nos despertar do sono e acordarmos para uma nova vida, uma vida de mais conhecimentos, de mais esperança e de mais fé no futuro. 


Toda ideia nova tem os seus contraditores; o Espiritismo não fugiu à regra. No âmbito dos ensinamentos espíritas, Allan Kardec observa que a maior parte das objeções que se faz à doutrina provém de uma observação incompleta dos fatos e de um julgamento precipitado. Num dos seus diálogos com o crítico, em O Que É o Espiritismo, diz:  "Se o Espiritismo é uma falsidade ele cairá por si mesmo; se, porém, é uma verdade, não há diatribe que possa fazer dele uma mentira".


Na Revista Espírita de 1865, há dois assuntos pertinentes à ideia nova.

1) Um Sermão sobre o Progresso 
Escrevem-nos de Montauban:

Um pregador protestante, Sr. Rewile, capelão do rei da Holanda, em um discurso pronunciado diante de duas mil pessoas, se afirmou decididamente como partidário das ideias novas.

Ao comentar a frase "Eu não vim destruir a lei e os profetas, mas cumpri-la. Amai-vos de todo vosso coração, de toda vossa alma, de todo vosso pensamento, e vosso próximo como a vós mesmos", diz que a missão do Cristo entre os homens foi uma missão de caridade e de espiritualidade; sua doutrina, parecia, pois, que estava em oposição com a dos Judeus, cujo princípio era: "a observação estrita da letra," princípio que engendrava o egoísmo...


De posse do texto completo, Allan Kardec fez a seguinte observação:

"Os Espíritos disseram bem que o Espiritismo iria encontrar defensores nas próprias fileiras de seus adversários. Um tal discurso na boca de um ministro da religião, e pronunciado do alto do púlpito, é um acontecimento sério. Esperemos ver outros deles, porque o exemplo da coragem de opinião é contagioso. As ideias novas não tardarão, não mais, a encontrar combatentes devotados na alta ciência, na literatura e na imprensa; elas ali já têm mais simpatias do que se crê; isso não custa senão o primeiro passo. Até este dia pode-se dizer que, à exceção dos órgãos especiais do Espiritismo, que não se dirigem à massa do público indiferente, só nossos adversários tiveram a palavra, e Deus sabe se dela usaram! Agora a luta se inicia; que dirão quando virem nomes justamente honrados e estimados sair de suas fileiras, tomar abertamente à mão a bandeira da Doutrina? Está dito que tudo deve se cumprir."

2) Imigração dos Espíritos Superiores para a Terra.

(Sociedade Espírita de Paris, 7 de outubro de 1864. - Médium, Sr. Delanne

"Sim, grandes mensageiros estão entre vós; são aqueles que se tornarão os sustentáculos da geração futura. À medida que o Espiritismo vai crescer e se desenvolver, Espíritos de uma ordem cada vez mais elevada virão sustentar a obra, em razão das necessidades da causa. Por toda a parte Deus distribui sustentáculos para a Doutrina; eles surgirão em tempo e lugar. Assim, sabei esperar com firmeza e confiança; tudo o que foi predito acontecerá, como o disse o santo livro, até um iota".

Ainda: "Eis porque dizia há pouco que a imigração de Espíritos superiores se operaria sobre a vossa Terra para ativar a marcha ascendente de vossa Humanidade. Redobrai, pois, de coragem, de zelo, de fervor pela causa sagrada. Sabei-o, nada deterá a marcha progressiva do Espiritismo, porque poderosos protetores continuarão vossa obra". (Mesmer).



Nenhum comentário: