27 março 2015

Sentimento e Razão

SentimentoNo conceito de sentimento há diversas interpretações filosóficas. Primeiramente, é confundido com a emoção, a sensibilidade, a sensação e, em geral, oposto em bloco à razão. RazãoFaculdade de "bem julgar", de raciocinar discursivamente: conhecimento natural enquanto oposto ao conhecimento revelado, objeto da fé. 

Como fenômeno afetivo, o sentimento distingue-se dos fenômenos cognoscitivos e apetitivos, dos quais se pode dizer ser a "ressonância" psicológica. emoção é um estado da mesma natureza que o sentimento, porém de maior complexidade, pois é excitada por um complexo ideológico. Pode-se dizer, também, que o sentimento implica intencionalidade, mas também reação a determinada situação. Nesse caso, a emoção é uma reação de curto-prazo enquanto o sentimento é de longo prazo.

Ao longo do tempo, principalmente com o Iluminismo, a razão foi endeusada. Com isso, os objetivos da humanidade se inverteram. Os desdobramentos da razão deveriam levar o ser humano a Deus. Com a inversão, levaram-no à materialidade.

Mas, qual a relação entre razão e sentimento? A razão é fria, calculista, raciocina com a lógica. O sentimento é o elemento que vem completar o raciocínio, dando-lhe uma espécie de apoio moral. Nesse sentido, há necessidade de se mesclar sentimento e razão: a nossa ação deveria ser, se possível, emotivo-racional.

Para os Espíritos, o sentimento é a capacidade, o poder de auto-sensibilização, a disposição pronta, espontânea, pelo sofrimento do próximo, gerando uma identificação empática com os que padecem. 

Fonte de Consulta

ENCICLOPÉDIA LUSO-BRASILEIRA DE CULTURA. Lisboa: Verbo, [s. d. p.]

Nenhum comentário: