02 março 2019

Quando se Raciocina, não se Crê Mais?

Na Revista Espírita de 1867, um jornalista comenta a obra "As Três Filhas da Bíblia", de Hippolyte Rodrigues, que prevê a fusão das três grandes religiões descendentes da Bíblia: a judia, a católica e a maometana. Registremos a seguinte a parte: "Quero fazer aceitar a crença nova pelo raciocínio. Até este dia, não há senão a fé que tenha fundado e mantido as religiões, por esta razão suprema de que, quando se raciocina, não se crê mais, e quando um povo, uma época, deixou de crer, vemos logo ruir a religião existente, não se vê levantar a religião nova."

Allan Kardec não quer criticar o autor, mas fazer uma análise serena de "quando se raciocina não se crê mais". Kardec pensa que quando o indivíduo raciocina a sua crença, ele naturalmente crê mais firmemente, porque compreende melhor a sua crença. Diz, ainda, que foi em virtude deste princípio que forjou a sua célebre frase: "Não há fé inabalável senão aquela que pode encarar a razão face a face em todas as épocas da Humanidade".

Erro 1: tratar o particular pelo todo. A maioria das religiões comete o erro de, por meio da fé cega, edificar todo o arcabouço do dogma absoluto. Nesse caso, as pessoas são obrigadas a aceitar por muito tempo uma determinada crença, não se importando com as pesquisas científicas que vieram contradizer tais dogmas. "Disto resultou, num grande número de pessoas, essa prevenção de que toda crença religiosa não pode suportar o livre exame, confundindo, numa reprovação geral, o que não eram senão casos particulares".

Erro 2: "Quando um povo, uma época deixou de crer, vê-se logo ruir a religião existente, não se vê levantar a religião nova." Dificilmente um povo fica sem religião. A maioria delas surgiu em tempos passados –  fundadas no princípio da imutabilidade , quando a ciência engatinhava os seus passos, ou seja, erigiram em crenças errôneas, que só o tempo poderia reparar. Elas caem pela força das coisas, como acontece com tudo o mais; no entanto, não se aniquilam: elas transformam-se.

"A transição não se opera jamais de maneira brusca, mas pela mistura temporária das ideias antigas e das ideias novas; é de início uma fé mista que participa de umas e das outras; pouco a pouco a velha crença se extingue, a nova cresce, até que a substituição seja completa. Por vezes, a transformação não é senão parcial; são então as seitas que se separam da religião mãe modificando alguns pontos de detalhe. Foi assim que o Cristianismo sucedeu ao paganismo, que o Islamismo sucedeu ao fetichismo árabe, que o Protestantismo, a religião grega, se separaram do Catolicismo. Por toda a parte veem-se os povos não deixar a crença senão para tomar uma apropriada ao seu estado de adiantamento moral e intelectual; mas em nenhuma parte há solução de continuidade".

"Em nossos dias se vê, é verdade, a incredulidade absoluta erigida em doutrina e professada por algumas seitas filosóficas; mas seus representantes, que constituem uma ínfima minoria na população inteligente, têm o erro de se crerem todo um povo, toda uma época, e porque não querem mais religião, pensam que sua opinião pessoal é o encerramento dos tempos religiosos, ao passo que não é senão uma transição parcial para uma outra ordem de ideias".

Nenhum comentário: