25 maio 2011

Conceito de Deus

O conceito é uma ideia abstrata sobre algum objeto de estudo. Para os empiristas, são formados a partir da experiência; para os racionalistas, a razão o produz independentemente de qualquer ensino empírico. Conceito e concepção assemelham-se, pois a concepção é uma operação mental em que o espírito constrói, sem a necessidade de dados experimentais, um conceito ou ideia geral.

A origem da ideia de Deus está presa à revelação cristã e ao desenvolvimento puramente natural da evolução do ser humano. Ela é, porém, anterior à revelação cristã ou muçulmana. Allan Kardec, por exemplo, explica-nos que a ideia de Deus não é efeito da educação ou produto de ideia adquirida, mas um sentimento natural do ser humano, pelo fato de se considerar filho de Deus.

A problematização do conceito de Deus pode ser visto de quatro modos: 1) Deus como causa do mundo; 2) Deus como ordem moral (Bem); 3) Deus como divindade; 4) Deus como revelação.

1) Deus como causa do mundo. Deus é criador e ordenador do mundo. Ele não é só o demiurgo, mas também o autor da estrutura substancial do próprio mundo. O mundo é continuidade, prolongamento da vida de Deus. Para o Espiritismo, Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas.

2) Deus como ordenador da moral. Ele garante a ordem moral do mundo. Essa ordem apóia-se no conceito de providência, que os antigos entendiam como “destino”. Disto resulta que, ao criar a ordem, Deus ajuda a salvar a liberdade do homem. Para o Espiritismo, há as leis naturais (ou divinas), gravadas na consciência de cada um de nós.

3) Deus como divindade. Divindade significa a relação de Deus com ele mesmo. Para identificá-la ou distingui-la, valemo-nos dos conceitos de monoteísmo e politeísmo. No politeísmo há uma hierarquia de deuses, de modo que não há uma identidade entre Deus e Divindade. No monoteísmo, a divindade é possuída só por Deus. Nesse caso, Deus e divindade coincidem.

4) Deus como revelação. É a maneira como se dá o acesso do homem a Deus. Há dois modos clássicos: 1) pela razão; 2) pela fé (revelação). Essa duas iniciativas podem ser combinadas, ou seja, reconhecer o esforço natural do homem de conhecer Deus. Essa terceira via fundamenta a própria revelação espírita, pois esta afirma que a revelação é de inspiração divina, mas também fruto do trabalho de pesquisa do ser humano.



Nenhum comentário: