18 maio 2011

Mundos de Regeneração

Na concepção clássica, o mundo é o sistema harmônico composto pela Terra e os astros. Em termos geográficos, o mundo é a Terra. Em sentido mais amplo, o mundo é tudo aquilo que existe, o próprio Universo. Embora usamos a palavra “mundo” como sinônimo de “universo”, deve-se fazer uma ressalva, ou seja, como explicar a pluralidade dos mundos? Haveria vários Todos? Para os antigos, o mundo é um todo, mas não o Todo. É o conjunto ordenado que nos contém, tal como podemos observá-lo, da Terra ao céu e aos astros.

Em se tratando dos vários mundos habitados, Allan Kardec, enumera cinco tipos: mundos primitivos; mundos de expiação e provas; mundos regeneradores; mundos felizes; mundos celestes ou divinos. As suas características podem ser, assim, resumidas: Os mundos primitivos servem para as primeiras encarnações das almas humanas; os mundos de expiação e provas são lugares de exílio dos Espíritos rebeldes à lei de Deus; os mundos regeneradores são pontes de transição para os mundos felizes; nos mundos felizes não há mais provas nem expiações; os mundos celestes ou divinos são as moradas dos Espíritos purificados.

Refletindo com mais cuidado sobre este item do Evangelho, notamos que o mundo de regeneração é um divisor de águas entre o bem e o mal. Nos mundos de expiações e provas, o mal predomina sobre bem. Nos mundos celestes, só existe o bem. Nesse, o Espírito é convidado a deixar de vez o seu passado delituoso e se embrenhar na nova fonte de luz e harmonia celeste, que é a prática exclusiva do bem.

Embora experimentando as sensações e desejos que são característicos dos mundos de provas e expiações, já consegue se libertar das paixões desordenadas que escravizam, do orgulho que impõe silêncio ao coração, da inveja que tortura e do ódio que sufoca a alma. É a aurora da felicidade. Mesmo assim, comparados à Terra, esses mundos são bastante ditosos. Não sendo completamente desmaterializado, o indivíduo neles inserido tem de suportar provas, porém, sem as pungentes angústias da expiação. Ainda falível, sabe que não avançar é recuar.

A caracterização desses diversos mundos mostra a magnanimidade da sabedoria divina. Como o objetivo do Espírito, criado simples e ignorante, é alcançar a perfeição, Deus, na sua infinita bondade, faculta-lhe as mais diversas oportunidades.

Fonte de Consulta

KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 39. ed. São Paulo: IDE, 1984. (capítulo 3)

Nenhum comentário: