04 maio 2011

Fundamentalismo e Espiritismo

O termo fundamento comporta várias significações: origem, princípio, raiz, finalidade. É o princípio em que repousa de fato uma ordem de fenômenos. É o alicerce, a base, sobre o qual o edifício se erguerá. O fundamentalismo, por sua vez, é a concepção epistemológica de que todo conhecimento fatual está ancorado em uma base muito firme ou fundamento.

Em termos religiosos, a origem do termo "fundamentalismo" deu-se no século passado. Os primeiros a utilizá-lo foram os protestantes americanos que, no início do século XX, designaram a si mesmos como “fundamentalistas”, para distinguir-se de protestantes mais “liberais”, que, a seu ver, distorciam inteiramente a fé cristã. É uma corrente teológica que admite apenas o sentido literal das escrituras.

A temática do fundamentalismo é um campo escorregadio. É que com o passar do tempo, este termo tornou-se inflacionário. Originalmente, pertencia exclusivamente ao campo religioso; depois, passou a ser usado de modo secular. Hoje, qualquer pessoa que defende com entusiasmo certa ideia é denominada de “fundamentalista”.

É inadequado usar o termo “fundamentalismo” para os ataques terroristas. Quando dizemos que o ataque às torres gêmeas dos Estados Unidos foi feito pelo fundamentalismo, estamos cometendo uma injustiça, pois o fundamentalismo islâmico não apregoa essas atrocidades. Geralmente, são os jovens despreparados, uma pequena minoria, que pensa estar ali a salvação da humanidade. Por isso, não hesitam em fuzilar devotos, matar médicos que trabalham em clínica de aborto, assassinar presidentes etc.

O fundamentalismo pode também estar presente no movimento espírita. Sempre que defendermos uma ideia presos somente à codificação de Allan Kardec, podemos estar sendo fundamentalistas sem o saber, porque fundamentalistas são sempre os outros. O próprio Allan Kardec, codificador do Espiritismo, já nos alertava: “Se a ciência descobrir coisas que contrariem o que está na codificação, não hesite, fique com a ciência.”

Defender os fundamentos espíritas não necessariamente é ser fundamentalista. Há fundamentos que o espírita não pode abrir mão, como o princípio da reencarnação. Não o defendendo, podemos destruir todo o edifício construído por Allan Kardec.

Para que o espírita seja fundamentalista sem cair no fundamentalismo, deve debruçar-se sobre as obras básicas e complementares do Espiritismo, extraindo daí o alicerce para o seu pensamento, tendo em mente que a razão deve estar sempre em primeiro lugar.

Fonte de consulta

ARMSTRONG, Karen. Em Nome de Deus: O Fundamentalismo no Judaísmo, no Cristianismo e no Islamismo. Tradução de Hildegard Feist, São Paulo: Letras, 2001.
KAMEL, Ali. Sobre o Islã: A Afinidade entre Muçulmanos, Judeus e Cristãos e as Origens do Terrorismo. Rio de janeiro: Fronteira, 2007.DREHER, Martin Norberto. Fundamentalismo. São Leopoldo: Sinodal, 2006. (Série Para Entender)

Texto em PowerPoint

Mais textos em PowerPoint:
http://www.sergiobiagigregorio.com.br/powerpoint/powerpoint.htm

Nenhum comentário: