01 junho 2011

Evocação de Espíritos

Evocar é trazer à lembrança; recordar. Evocação é o ato de evocar, de chamar. Em se tratando da mediunidade, é chamar, fazer aparecer os Espíritos. É a comunicação do Espírito feita mediante o chamamento do ser vivente (médium ou não). “Hospedeiro”, “canal”, “canalizador” e “médium” são os termos usados para os intermediários com o mundo dos Espíritos.

evocação não é fenômeno somente de nossos dias. Os deuses, na Grécia antiga, falavam com os mortais por intermédio dos oráculos. Na Inglaterra vitoriana, os “mortos” comungavam com os vivos através de médiuns. Há, ao longo do tempo, inúmeros casos de comunicação mediúnica: uns emprestavam seus corpos aos Espíritos manifestantes; outros procuravam conservar a sua identidade enquanto os Espíritos transmitiam as suas mensagens.

As evocações não estão imunes às críticas. Para James Randi, escritor e denunciador de fraudes, a canalização é “a última moda do sobrenatural”, cheia de “baboseiras imaginativas de autodenominados ‘gurus’, sustentados por um segmento da população que tem necessidade de acreditar”. George Steiner, crítico literário, caracteriza-as como sendo fruto da superstição e do irracionalismo.

Uma dúvida que surge: como os Espíritos espalhados no espaço ou nos diferentes mundos podem ouvir as evocações que lhes são feitas? Os guias espirituais nos informam que temos dificuldade de compreender o modo de transmissão do pensamento entre os Espíritos. Em linhas gerais, o processo se dá da seguinte forma: o Espírito que evocamos, por mais longe que esteja, recebe, por assim dizer, o contragolpe do pensamento, como uma espécie de choque elétrico que chama sua atenção para o lado de onde vem o pensamento a ele dirigido; ele ouve o pensamento, como na terra ouvimos a voz.

Não há restrições quanto à evocação dos Espíritos. Podemos, assim, evocar todos os Espíritos, de qualquer grau da escala a que pertençam. Tanto os bons como os maus; tanto os que deixaram a vida há pouco, como os que viveram nos tempos mais recuados; tanto os homens ilustres, como os mais obscuros; nossos parentes, nossos amigos e os que nos são indiferentes. Exemplo: Em 1980, Santo Tomás de Aquino, falecido em 1274, diz: “O único desejo do mundo espiritual é progredir rumo à verdade. E a verdade última é a mente infinita do próprio Deus. Este é o único desejo do espírito que reside dentro de cada um de vocês...”

A principal utilidade das evocações é valermo-nos da experiência dos Espíritos superiores, que adquiriram um grau de perfeição que lhes permite abraçar uma esfera de idéias mais extensa, penetrar mistérios que ultrapassam a alçada vulgar da humanidade e, por consequência, iniciar-nos melhor que os outros em certas coisas.

Fonte de Consulta

KARDEC, A. O Livro dos Médiuns ou Guia dos Médiuns e dos Doutrinadores. São Paulo:Lake, [s.d.p.] (Capítulo 25 – Das Evocaçoes)
Evocação dos Espíritos. Revista Mistérios do Desconhecido. Rio de Janeiro: abril livros.

Nenhum comentário: