27 julho 2020

Pragmatismo e Espiritismo

Pragmatismo. É um pensamento filosófico criado, no fim do século XIX, pelo filósofo americano Charles Sanders Peirce (1839-1914), pelo psicólogo William James (1844-1910) e pelo jurista Oliver Wendell Holmes Jr (1841-1935). Valoriza mais a prática do que a teoria. Seus idealizadores defendem o empirismo no campo da teoria do conhecimento e o utilitarismo no campo da moral. O critério da verdade deve ser encontrado nos efeitos e consequências de uma ideia, ou seja, em seu êxito.

O pragmático age em função da lógica, tendo sempre um objetivo definido. Quer dizer, as ideias e os atos só são verdadeiros se servirem para a solução imediata de seus problemas. Vejamos dois exemplos: 1) o bem é aquilo que tem êxito; 2) o verdadeiro é aquilo que é útil, eficaz, coisa que funciona. Ele adota o postulado básico do pragmatismo, ou seja, o significado de uma doutrina é idêntico aos efeitos práticos que resultam de sua adoção. 

Em se tratando do Espiritismo, a relação entre teoria e prática tem grande relevância, pois o verdadeiro espírita deve nortear suas ações em função dos princípios básicos codificados por Allan Kardec, a partir de 1857. Seus livros preferidos devem ser: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese. Acrescentemos, também, os livros complementares e as obras mediúnicas da atualidade. 

Primeiro o estudo, depois a prática. Nesse caso, o pragmatismo espírita não deve ser analisado em virtude de uma solução imediata das dificuldades encontradas. Há muitos problemas envoltos em diversas encarnações. É o caso, por exemplo, de se querer eliminar um obsessor de uma vez por todas. Pode ser uma associação que vem de muitas encarnações passadas. Por isso, todo cuidado é pouco, no sentido de que problema seja resolvido em sua essência, na sua causa e não somente nos efeitos presentes.

Comparemos o Espiritismo prático e o Espiritismo praticado. O Espiritismo prático refere-se, geralmente, aos trabalhos de intercâmbio com o mundo espiritual, principalmente nas seções mediúnicas de desobsessão, em que o doutrinador tem a oportunidade de auxiliar os Espíritos menos felizes. O Espiritismo praticado tem um alcance maior: há necessidade da mudança de comportamento, pois o espírita sincero deve ser espírita tanto dentro de um Centro Espírita quanto no seu convívio com próximo, independentemente das circunstâncias. Nesse caso, pode haver discrepância entre o Espiritismo prático e o Espiritismo praticado. 

Estudemos o Espiritismo, reflitamos sobre os seus postulados básicos e, sempre que possível, acionemos a nossa força interior para por em prática esses ensinamentos.




Nenhum comentário: