19 novembro 2019

Ficção Científica

Ficção. Do latim ficti, significa modelar, representar, preparar, imaginar, disfarçar, supor. Exemplo: ficti dei (falsos deuses). Em seu sentido filosófico, é uma construção elaborada pela imaginação em que uma pessoa acredita poder resolver um problema real (metafísico, lógico, moral ou psicológico). Ficção científica. Normalmente abreviado como  SF, FC, sci-fi ou scifi, é um gênero, literário ou cinematográfico, que antecipa o  futuro por meio da representação fictícia do universo.

Os assuntos preferidos pela ficção científica são: viagem espacial, viagem no tempo, viagem mais rápida que a luz, universos paralelos, mudanças climáticas, totalitarismo, vida extraterrestre etc. Entre os autores mais famosos de ficção científica, temos: Isaac Asimov (1920-1992) [ “Nós robôs”], Ray Bradbury (1920-) [“Crônicas Marcianas”, “Fahrenheit 451”], Arthur C. Clarke (1917-2008) [“Odisseia no Espaço”], Aldous Huxley (1894-1963) [“Admirável Mundo Novo”], Ursula K. Le Guin (1929-) [“The Dispossessed”] e Júlio Verne (1828-1905) [“Viagem ao centro da Terra”, “Vinte Mil Léguas Submarinas”]. (https://conceito.de/ficcao-cientifica)

Alguns livros (filmes)

  • 1984. Há um Estado totalitário que zela por todos. Cada indivíduo, nascido de proveta, têm comportamento pré-condicionado e ocupa lugar pré-determinado. Cada usuário é abastecido com a droga "soma".  
  • Admirável Mundo Novo. Será admirável o mundo novo? A quem interessa essa sociedade que enaltece a máquina e reprime o espírito? Qual o lugar do ser humano numa sociedade dominada pelo Estado, pela máquina? O que pode acontecer ao indivíduo que quer caminhar com os próprios pés?
  • Fahrenheit 451. Depois de queimados todos os livros físicos, queimariam também as pessoas que os tivessem alojados em suas memórias?
  • Lucy. Trata da capacidade do cérebro. A droga, derramada em seu estômago, dá-lhe  poderes sobre-humanos, telecinesia, ausência de dor e a possibilidade de adquirir conhecimento instantaneamente.

Comentário sob a ótica espírita.

  • Sobre o totalitarismo. De acordo com a Doutrina Espírita, fomos criados simples e ignorantes com a incumbência de conquistar a perfeição. Perfeição significa pensar com mais liberdade, agir com mais liberdade. Nesse caso, o totalitarismo não faz sentido. 
  • Sobre a sociedade sem livros. Dado o avanço da informática, é difícil imaginar uma sociedade sem livros: talvez não precisamos tanto do papel, mas o livro estará no computador, na forma digital. 
  • Sobre o desenvolvimento do cérebro e a mediunidade. Os Espíritos, ao usarem o cérebro do médium, não tiram as ideias dos médiuns, mas o material que podem formalizar as ideias a serem transmitidas.   
Allan Kardec, no capítulo XVI ("Teoria da Presciência") de A Gênese, trata do problema do conhecimento do futuro. Primeiramente, vale-se de uma comparação: suponha um homem no pé da montanha e outro no topo. O do topo vê todo o caminho futuro, enquanto o debaixo não. Depois, ensina-nos que a capacidade de conhecer o futuro depende do grau de evolução do ser encarnado. Ainda: o futuro pode ser conhecido, mas deve ser revelado? Os Espíritos advertem-nos que o futuro não deveria ser revelado para atender à vã curiosidade, mas para atender a um fim útil e sério.




Nenhum comentário: