10 junho 2009

Epístolas de Paulo

Paulo viveu na época de Jesus. O seu nome em hebreu é Saulo. De acordo com os costumes judeus, que prescrevia o ensino de uma profissão às crianças, Saulo torna-se tecelão. Saulo é enviado a Jerusalém onde se torna discípulo de Gamaliel, adquirindo vasto conhecimento das escrituras e das tradições judaicas. 

Enquanto Jesus era crucificado pelo anúncio de seu Evangelho, Saulo torna-se um ferrenho perseguidor dos cristãos, na Palestina e na Síria. O número de discípulos, na época, já ultrapassava os 5.000. Saulo tem uma visão de Cristo nas portas de Damasco, que lhe pergunta: "Saulo, Saulo, porque me persegues?" Fica cego e é curado por Ananias. Depois de alguns anos de vida tranquila em Tarso, Saulo inicia as suas viagens de divulgação da boa nova do Cristo, permeada por muitos sofrimentos e prisões. Teve um fim trágico: morreu decapitado.

A missão de Paulo foi a de levar a boa nova do Cristo aos gentios. Sabia que nada podia por si mesmo, mas confiava em Deus, que lhe tinha dado esta missão. Depois de sua conversão, em Damasco, dedica-se inteiramente à divulgação do Evangelho não se importando com cansaços, tribulações e prisões. De acordo com Jacques Maritain "A sabedoria que Paulo anuncia não é sabedoria dos filósofos, é a sabedoria dos santos. Não é sabedoria que se adquire pelas forças naturais da razão, mas pelas forças da fé".

Epístolas são cartas redigidas por um autor antigo. Difere da simples carta, pois não se destina à simples comunicação de fatos de natureza pessoal ou familiar, mas crônicas a respeito de determinados assuntos. Diz-se também de cada uma das cartas escritas por apóstolos e inseridas no Novo Testamento. No Antigo Testamento de antes do cativeiro encontram-se poucas formulações de cartas propriamente ditas. Do pós-cativeiro (tempo persa) guardam-se diversas cartas e documentos. No Novo Testamento temos as cartas de Paulo, as cartas católicas, as cartas do decreto dos apóstolos e o apocalipse, pois também é concebido em forma de carta.

Como se originaram as epístolas de Paulo? O Espírito Emmanuel, em Paulo e Estevão, relata que Paulo estava preocupado por não poder atender a todas as solicitações das igrejas nascentes. Em uma meditação noturna, recebe a seguinte orientação: "Não te atormentes com as necessidades do serviço. É natural que não possas assistir pessoalmente a todos, ao mesmo tempo... Poderás resolver o problema escrevendo a todos os irmãos em meu nome; os de boa vontade saberão compreender, porque o valor da tarefa não está na presença pessoal do missionário, mas no conteúdo espiritual do seu verbo, da sua exemplificação e da sua vida". (1963, p. 424 a 426)

As epístolas, atribuídas a Paulo, no Novo Testamento, são quatorze, e segundo alguns, a ordem cronológica que melhor parece estabelecida é:

1.º e 2.º Epístolas aos Tessalonicenses;
1.º e 2.º Epístolas aos Coríntios;
Epístola aos Gálatas;
Epístola aos Romanos;
Epístola aos Efésios;
Epístola aos Colossences;
Epístola a Filemon;
Epístola aos Filipenses;
Epístola aos Hebreus;
1.º Epístola a Timóteo;
Epístola a Tito;
2.º Epístola a Timóteo.

Folheando essas 14 epístolas, verificamos que Paulo está preocupado na divulgação da sã doutrina do Cristo. Assim:

- combate a idolatria, a circuncisão, o pecado, a luxúria etc.;
- exalta a justiça pela fé, a humildade, a caridade, a fidelidade a Deus, a submissão à autoridade, a tolerância para com os fracos da fé etc.;
- dá orientações de como a mulher deve portar-se na Igreja;
- responde às perguntas sobre o casamento;
- fala de seus sofrimentos na luta pela implantação da "Boa-Nova";
- diz que a Lei é impotente para salvar, mas conduz a Cristo e à fé;
- descreve acerca da diversidade dos dons espirituais.

Paulo foi quem universalizou o Cristianismo. É o exemplo vivo de como o homem velho pode se transformar no homem novo. As suas prédicas tinham por objetivo avivar a fé racional do crente e não a fé cega, a fé dogmática. Além do mais, Paulo era médium e, como tal, ficava todo o tempo receptivo às inspirações dos mensageiros de luz, preocupados em divulgar a boa nova do Cristo, para que a Humanidade pudesse se preparar para a sua maioridade espiritual.

Fonte de Consulta


CURTI, Rino. As Epístolas de Paulo e o Apocalipse de João (Segundo o Espiritismo). São Paulo, FEESP, 1983.
MARITAIN, Jacques. O Pensamento Vivo de São Paulo. Tradução de Oscar Mendes. São Paulo: Martins/Edusp, 1975.
XAVIER, F. C. Paulo e Estêvão, pelo Espírito Emmanuel. Rio de Janeiro, FEB, 1963.
17/9/2008

Palestra em PDF

Baixe o áudio desta palestra

Nenhum comentário: