02 julho 2008

Loucura e suas Causas

louco é a pessoa que perdeu a razão. A alucinação é um erro de percepção da pessoa que crê "ver algo que não está ali". Às vezes ouve vozes sem ter ninguém por perto. A alienação – desarranjo das faculdades mentais –, usada como sinônimo de loucura (alienação mental), tem um significado mais amplo, pois produz lesões. Na mesma linha de pensamento há também o idiota, que é o sujeito que não ultrapassará dois ou três anos de idade mental.

Por uma condição moral, a sociedade sempre procura excluir uma parte de si mesma. Até o final da Idade Média, o leproso era a figura excluída. Com a diminuição dos leprosários, a loucura, tida como possessão demoníaca, passou a ser a bola da vez. Na época do iluminismo, o Cogito de Descartes elimina a loucura no processo de pensar. Daí, o campo de exclusão passa a ser o Hospital Geral. Os médicos desses hospitais, sem experiência, usavam métodos bárbaros e primitivos. Somente em 1792, o alienista Pinel iniciou um trabalho racional, libertando os loucos do regime inumano a que estavam sujeitos.

Predisposição física, cérebro fraco e idéia fixa são as causas orgânicas da loucura. Há muitas pessoas que reencarnam com um estoque limitado de fluido vital. O cérebro, não podendo processar muitas informações, desestrutura-se ao contato com um excesso de informações. Nesse sentido, a loucura pode ocorrer em todas as áreas do saber humano: Ciência, Artes, Religião, inclusive no meio espírita. A idéia fixa é apontada como causa orgânica, porque o cérebro não tendo capacidade de se diversificar, acaba por aderir a uma única idéia, conhecida como monoideísmo.

Decepções, desgraças e afeições contrariadas são as causas morais e espirituais da loucura e também do suicídio. Habitando um mundo de provas e expiações, todos nós estamos sujeitos aos revezes da sorte adversa: um lar desfeito, uma relação amorosa rompida, a perda de emprego e a queda da cotação na bolsa. A vida moderna aumenta o estresse, diminui o nosso poder de controlar as emoções e aumenta as nossas tensões com relação ao futuro incerto. Persistindo esses males, podemos ser levados à loucura ou ao suicídio.

Em face desta anomalia mental, questionamos a presença do Espiritismo em nossas vidas. Muitos acusam-no de ser o causador da loucura. Mas, compulsando criteriosamente os seus princípios fundamentais, veremos que ele é a solução e não a causa. Allan Kardec ensina-nos que o verdadeiro espírita olha as coisas deste mundo de um ponto de vista tão elevado, que tudo o que se lhe acontece é tão pequeno e mesquinho. O futuro grandioso que o aguarda abre-lhe novos horizontes. Ele vive de modo transcendental num mundo marcado pela imanência material.

Tenhamos piedade daqueles que perderam o juízo. Quem, em sã consciência, pode se julgar livre de tal ocorrência? Peçamos sempre aos bons Espíritos que nos auxiliem em nossa vida terrena, para que possamos cumprir fielmente os nossos deveres.

Apresentação em PowerPoint

Mais Textos em PowerPoint:
http://www.sergiobiagigregorio.com.br/powerpoint/powerpoint.htm

Palestra em PDF

Nenhum comentário: