02 julho 2008

Prolegômenos

Prolegômenos – do grego prolegomena, coisas que se dizem antes, significa as notas introdutórias de uma ciência, de uma arte, de uma filosofia, de um livro etc. Em se tratando de O Livro dos Espíritos, eles mostram, em linhas gerais, o desenvolvimento do livro, o porquê dos temas estarem numa disposição e não em outra, em fim, dão-nos uma visão geral do que vai acontecer no decorrer da leitura. É uma sinalização dos pontos principais, que serão destacados mais adiante.

Allan Kardec deixa bem claro que os ensinamentos ali contidos não são de sua autoria. Na realidade, são os ditados dos Espíritos superiores, que ele anotou e os dispôs de uma forma lógica e coesa. Dizia, inclusive, que muitos daqueles pensamentos divergiam da sua habitual maneira de pensar. Contudo, para que a obra tivesse um caráter universal, foi fiel às comunicações dos Espíritos, para não criar mais um sistema de idéias, como tantos outros que já existem.

O grande objetivo deste livro é a separação entre percepção sensorial e percepção extra-sensorial. A percepção sensorial é a expressão dos nossos conflitos e dos nossos preconceitos. A percepção extra-sensorial (ou mediunidade) é uma faculdade que suplanta o nosso modo tacanho de ver e de ouvir. A mediunidade amplia a nossa visão, pois nos faz entrar em contato com um mundo nunca antes imaginado. Nessa relação com os desencarnados, vamos aprendendo a lei do amor e da caridade, elementos substantivos no processo de salvação de nossa alma.

A obra foi dividida em 4 livros. No Livro Primeiro (75 questões) elabora sobre o princípio das coisas, entre as quais Deus, Espírito e Matéria. No Livro Segundo (538 questões) explora o mundo espírita ou dos Espíritos, onde discute a relação entre os encarnados e os desencarnados. No Livro Terceiro (306 questões) trata das Leis Morais e da perfeição moral. No Livro Quarto: (100 questões) especula sobre as esperanças e as consolações, incluindo perguntas sobre as penas e os gozos, terrenos e futuros.

Embora Allan Kardec, com sua humildade, tenha afirmado que a obra não lhe pertence, pois foram os Espíritos que a ditaram, cabe-nos destacar o seu poder de síntese a respeito de um conhecimento tão complexo. Formular 1019 questões que englobam todas as relações do indivíduo para consigo mesmo, de si para com o próximo e de todos os seres humanos para com o mundo, não é tarefa fácil. Os Espíritos superiores o auxiliaram, mas o seu trabalho braçal merece o nosso grato reconhecimento.

Por isso, esta proposta de um estudo pormenorizado das questões ali expostas, é de grande utilidade para o progresso de nosso Espírito imortal.

São Paulo, 17/03/2004

Apresentação em PowerPoint
Mais textos em PowerPoint:

Nenhum comentário: